A busca pelo ambiente criativo

Data 25/03/2014

Se todo indivíduo é potencialmente criativo, porque nem toda empresa que conhecemos é uma empresa criativa? A resposta está no próprio problema: o ambiente. Existem ambientes criativos e não criativos, e estes últimos costumam coibir a manifestação inovadora daqueles que nele transitam.

Para fomentar um ambiente criativo é preciso que proprietários e gestores, principalmente os do RH, assumam alguns compromissos básicos, estimulando o potencial inovador de seus liderados. Um destes princípios está no treinamento contínuo dos colaboradores, já que a cada dia lhes é exigido mais e mais. Despertar e promover vivências em habilidades criativas, em relacionamento interpessoal, liderança e comunicação torna-se cada vez mais necessário em tempos de alta exigência de performance.

Outro estímulo ao ambiente criativo está na desburocratização de rotinas e processos. Mantendo apenas a burocracia e as regras extremamente necessárias, os colaboradores tendem a “sair da caixa”, da zona de conforto, deixando de ser meros cumpridores de regras. Além de desburocratizar, é preciso desenvolver um espírito de visão compartilhada, tornando a informação acessível a todos.

Quanto à comunicação, a forma como damos feedback à equipe faz toda diferença. Não é uma boa prática sentenciar um “nunca está bom”, “vocês não fazem nada certo”. Estimular o grupo com questões como “o que podemos fazer para melhorar isso hoje” ou “o que temos que aprimorar nesse processo, produto ou relação para que ele(s) funcione(m) melhor amanhã”, são pontuações que, além de gerar mais comprometimento, favorecem melhores resultados.

Extrair o aprendizado de cada erro não significa, como muitos pensam, aceitar os defeitos e ser complacente com a falta de qualidade. É preciso minimizar os problemas, sejam eles de qualidade, de eficiência e de prazo. Porém, acredite, é possível premiar os colaboradores pelos seus erros, e essa tem sido a forma que muitas empresas usam para estimulá-los. Ambientes que inibem o erro costumam, por si só, a afastar a criatividade, já que para evitar riscos, ligamos o piloto automático.

A incubação de ambientes criativos é intrínseca ao fomento da iniciativa. Uma regra válida tanto para empresas como para lares.

 

*EDUARDO ZUGAIB é escritor, profissional de comunicação e marketing, professor de pós-graduação, palestrante motivacional e comportamental. Ministra treinamentos nas áreas de Desenvolvimento Humano e Performance Organizacional.
 

Compartilhe:

Comentários