A complexidade econômica e sua carreira

Data 04/01/2012

*Por Silvio Celestino

A carreira profissional é parte de um investimento da empresa e do próprio profissional. Se ele tiver um plano tão bem elaborado quanto o de uma organização, sua carreira pode ter um futuro promissor. Se não tiver um plano ou visão estratégica, seu amanhã é incerto. Portanto, conseguir ver o futuro e como ele afetará sua carreira, dá ao indivíduo condições de se precaver e tomar as decisões apropriadas. Entretanto, ao observarmos as notícias econômicas que vêm da Europa, dos Estados Unidos e de Brasília, ficamos um tanto intrigados com sua complexidade. E é difícil responder: como isso afeta minha carreira?

Decisões equivocadas

A consequência mais direta de não lidar com essa questão é a pessoa tomar decisões que nem sempre são as mais apropriadas. Por exemplo, recentemente o Bank of America Merrill Lynch fechou sua operação de gestão de fortunas no Brasil. Mas, há menos de ano, muitos executivos deixaram suas carreiras em outras instituições e construiram um plano de longo prazo com Merrill Lynch. Resultado: eles terão que procurar emprego em pleno final de ano. Outra notícia do mesmo setor: o Citigroup anunciou que vai cortar 4500 postos de trabalho ao longo dos próximos trimestres. Portanto, ao contrário do que os protestos sugerem, o futuro não está fácil para quem pretende fazer carreira em Wall Street. E vai piorar.

A falsa sensação de segurança

A consequência de não se interessar em observar as notícias econômicas e conectá-las com sua carreira é uma falsa sensação de segurança. Por exemplo, neste exato momento funcionários públicos em países europeus estão perdendo seus empregos, pois seus salários e, principalmente, suas aposentadorias são um peso insuportável para a economia daqueles países. E, em Brasília, tenta-se equacionar o mesmo problema, para evitar isso no futuro. Portanto, quando alguém decide hoje pela carreira pública deve saber que não é certeza de ter emprego para o resto da vida. E que, se as mudanças atuais forem aprovadas, sua aposentadoria será similar aos da iniciativa privada. Se desejar mais, deverá fazer parte de um fundo de pensão complementar. Mas, esses fundos não são grandes investidores do mundo? Sim! E aqui vai mais um ponto de atenção: se eles estão entre os maiores investidores do mundo e há uma crise sistêmica na economia, o que acontecerá com esses fundos quando um colapso financeiro em escala global ocorrer?

Alfabetizar-se financeiramente

A única forma de alguém proteger sua carreira ao longo do tempo é alfabetizar-se financeiramente. Compreender os complexos meandros das decisões econômicas e como elas impactam sua vida profissional. Afinal, um investidor que não sabe o que está fazendo torna qualquer investimento arriscado, e sua carreira é um investimento de décadas.

O mundo e as pessoas estariam em melhores condições se elas fossem alfabetizadas financeiramente. É importante que o profissional, ao ingressar em sua carreira, procure desde o início o equilíbrio entre realização pessoal e ganhos financeiros. É horrível trabalhar com algo de que não se gosta, tanto quanto não conseguir o padrão de vida desejado. E esse plano de carreira, para acontecer de forma apropriada, deve estar nas mãos do indivíduo, não da empresa. Ele que deve se interessar por entender a complexidade econômica e decidir quais os melhores caminhos a seguir para evitar sérios problemas, que podem significar um futuro incerto e muita insegurança para sua vida.


Silvio Celestino é Coach de Executivos e foi VP do Chapter São Paulo da Federação Internacional de Coaches. Consultor Organizacional e Senior Partner da Alliance Coaching.