A marca da liderança – qual é a sua marca?

Data 02/09/2014

*Por Dorival Donadão

O papel da liderança vem ganhando relevância crescente nas organizações pelo simples fato de que não basta a empresa ter produtos, serviços, tecnologia, eficiência operacional, se não houver como pano de fundo um líder marcante, capaz de mobilizar equipes e gerar confiança.

E é aí que vem a grande questão. Você já pensou em qual é a sua marca como líder?

Você é capaz de resumir essa “marca” em práticas de liderança que deixam claro para a equipe que você tem um valor? As empresas se preocupam muito hoje com a questão do patrimônio da marca. Se marca é um patrimônio, qual a sua marca como líder?

Existem três atributos essenciais da liderança que podem formar uma marca positiva, ou seja, um patrimônio da marca. Primeiro: o líder deve ser um visionário. As pessoas esperam que o líder não só fique com o pé no presente, mas também dê alguns direcionamentos para o futuro. A sua marca deve ajudar a construir o futuro.

Segundo: o líder também é um empreendedor interno. Ele tem o espírito e a atitude empreendedora de realizar e fazer acontecer.

Terceiro: o líder tem que ser um administrador. Não adianta apenas construir o futuro e empreender sem equilibrar todas as questões de custo, produtividade, processos e gestão operacional.

Esses três atributos são os aspectos essenciais para liderança e não são excludentes, ao contrário, eles devem ser equilibrados. É a soma desses três aspectos que dá a qualidade e a marca pessoal do líder. Cria significado, cria propósito, legitimidade para o trabalho e, naturalmente, entrega resultados, como é esperado de sua posição de líder.

A verdadeira liderança deixa, portanto, sua marca no dia a dia das organizações. Assumindo essa premissa, resta a indagação de como age um líder em momentos críticos onde são exigidas algumas competências-chave que podem fazer a diferença entre um profissional “regular” e um líder.

Essas competências-chave estão relacionadas a decisões do tipo: conceder ou endurecer? Avançar com força total ou recuar, avaliar e depois progredir de forma assertiva?  Pegar leve ou chutar o balde? São inúmeras as posições e contraposições que um líder deve dosar em seus momentos de liderança. Porque, na verdade, é esse o termo: são momentos de liderança e não a liderança contínua e permanentemente progressiva que fazem a essência de um líder.

Enxergar a oportunidade e a forma de agir nesses momentos é a competência-chave que produz impacto, conquista respeito e coloca a impressão digital do líder na história da organização.


A marca da liderança – qual é a sua marca?

 

Dorival Donadão é Consultor em Educação Corporativa, Coaching e Alinhamento Estratégico. É formado em Administração com especialização em RH e Marketing e também escreve para outras revistas da área de gestão de pessoas.

Compartilhe:

Comentários