Ações de motivação dos funcionários necessitam de equipe e líder maduros

Data 31/01/2012

 

Como as políticas inovadoras em recursos humanos podem motivar uma equipe; e os cuidados que os gestores devem ter ao empregá-las

Com o estresse do dia a dia e a correria do mundo dos negócios, nem sempre os gestores se lembram de criar iniciativas que motivam a equipe, para proporcionar um ambiente mais unificador. Esse tipo de medida não só ajuda a dar leveza à atmosfera de trabalho como também auxilia na melhoria da comunicação entre os funcionários – um estudo recente da PMI-Rio indicou que 76% dos fracassos nos projetos dentro das empresas deve-se justamente a uma comunicação ineficiente.

Imagine chegar dentro da empresa e encontrar funcionários com uma máscara que é um sorriso gigante. Para o empresário Marcelo Ponzoni, fundador e diretor da empresa de publicidade Rae,MP, uma equipe de bom humor só agrega valor ao trabalho. “A empresa toda ganha com esse comportamento”, afirma Ponzoni. Para proporcionar um ambiente mais divertido, o empresário implementou a Campanha de Valorização do Sorriso na empresa, que atinge funcionários, clientes e até amigos da agência. O projeto tem folders, brindes com chocolates, cartazes e até uma máscara no formato de uma boca sorridente. Para Ponzoni, em uma empresa de publicidade, que lida diretamente com o cliente, é bom ter alto astral no atendimento. Essa cultura, segundo o empresário, foi responsável pelo crescimento de 400% no faturamento da empresa nos últimos cinco anos.

O empresário ressalta que sempre prezou pelo bom humor dentro de sua empresa desde a fundação, há 22 anos. Para ele, que completa 44 anos em 2010, isso não é algo de momento. “Desde que nasci tenho essa característica de sorrir muito, de ser bem humorado, e eu levo essa capacidade de sorrir em consideração mesmo quando vou contratar as pessoas. É um diferencial para mim; gosto de integradores aqui dentro”, afirma. Segundo ele, a empresa sempre foi assim, desde as coisas mais simples até campanhas como a Valorização do Sorriso. Para Ponzoni, motivar a equipe e deixá-la à vontade é fundamental para o sucesso de um empreendimento. Medidas como essa, garante o empresário, aperfeiçoam a comunicação interna e unificam a equipe.

Na Enken Comunicação Digital, especializada em comunicação, publicidade e marketing digital, a forma encontrada para motivar os funcionários foi outra. Ali, cada um pode fazer seu horário. As regras são simples: os empregados devem cumprir a carga horária diária e executar os projetos dentro do prazo determinado. Cumprido isso, pouco importa que horário estarão presentes no escritório. A justificativa da iniciativa é poder deixar o empregado trabalhar quando acredita ser mais produtivo. A maioria dos funcionários da Enken, segundo seu fundador e diretor, David Reck, trabalha das 10h às 19h, mas alguns trabalham mais cedo ou mais tarde, até mesmo de madrugada. Mesmo com a flexibilidade de horário, alguns colaboradores ainda optam por trabalhar na velha rotina do horário comercial.

Além disso, a empresa, fundada em 2004, promove ações em conjunto entre os funcionários para unificar a equipe, como passeios de bicicleta, festas ou mesmo saltos de paraquedas. Segundo Reck, isso é bom para todos se conhecerem fora do ambiente de trabalho, ainda mais numa empresa em que cada um escolhe seu horário e nem todos se encontram no escritório. A empresa também tem um espaço para descanso e atualmente está montando um local próprio para incentivar novos projetos, ideias e o empreendedorismo de seus funcionários – dando o tempo necessário para que eles se dediquem a isso. Assim, segundo Reck, novas empresas nasceriam dentro da própria Enken, que funcionaria como uma incubadora para start-ups.

“A gente vem trabalhando com essas ideias desde a fundação da agência”, garante Reck. Para ele, é importante oferecer um plano de carreira e bonificações aos funcionários. “Nós queremos dar um conceito de família à equipe que trabalha aqui”, afirma o empresário, que exemplifica: “quando um funcionário falta por algum motivo, compreendemos isso e damos a possibilidade de compensar essa falta, sem descontar da folha de pagamento ou reprimir.”.

Para a consultora de recursos humanos Zenilda Castilho, iniciativas como a da Rae,MP e da Enken podem ser muito positivas. “Mas vale lembrar que, se o profissional não tiver disciplina, é possível que o andamento das tarefas fique tumultuado”, afirma. Segundo a consultora, a falta de uma hierarquia e de uma chefia que cobre resultados pode fazer com que o funcionário se perca e não consiga estabelecer prioridades, apenas contentando-se em mostrar o resultado final. Isso pode comprometer seu crescimento como profissional. Por outro lado, a descompressão e o descanso são positivos e promovem uma melhoria no humor da equipe, que garante um ambiente mais lúdico. “Isso faz com que o pensamento e a criatividade da equipe fluam melhor. Amenizar o estresse do cotidiano é muito importante”, diz Zenilda.

Zenilda também releva a importância da liderança ao adotar políticas ousadas de recursos humanos. “A maturidade tem que vir do gestor”, afirma. Para ela, além da maturidade da equipe, uma maior liberdade exige também uma maior cobrança para fazer o resultado aparecer. Na Enken, Reck diz que muitas pessoas não se adaptam ao formato, não só da sua própria empresa como de qualquer outra que tenha um funcionamento fora do padrão. “O jovem que nunca trabalhou, por exemplo, às vezes não tem maturidade para avaliar e aproveitar essas medidas. Nós temos que criar a cultura nas pessoas de que isso é importante e faz diferença na carreira delas”, justifica.

Gerir empresas que tentam fazer algo fora do comum pode não ser fácil, mas David Reck considera a experiência final muito positiva. “Como gestor eu vejo tudo de forma muito saudável; nota-se um ambiente familiar, uma relação interna boa e uma comunicação eficiente. O resultado disso é simples: a empresa cresce”, garante ao mesmo tempo que aponta o crescimento anual médio de 50% no faturamento da Enken. Para Ponzoni, o prazer vai além de ter uma equipe integrada e funcional: “Sempre gostei de contrariar o que dizem que não funciona. Sou persistente. Já passei dificuldades por causa disso, mas o resultado que temos passa por uma comunicação eficiente e um baixo turn over de clientes.”.

Segundo Zenilda, não existem regras prontas ou um guia de como motivar uma equipe. Existem iniciativas que dão certo e outras, não. Depende da área de atuação da empresa e dos próprios gestores. Para ela, contudo, convém o empresário preparar-se antes de adotar algumas práticas de motivação. “É preciso uma gestão mais democrática, mas de toda forma, uma gestão. Deve-se ter clareza nos conceitos e metas estabelecidas, estar próximo da equipe e ter um capital disponível para treinamentos”, afirma. A consultora garante que uma equipe motivada cumpre metas, é empenhada e ‘veste a camisa’ da empresa, mas precisa ter maturidade. “Essa combinação de integração, motivação e maturidade dá sinergia entre os departamentos e a comunicação flui”, diz. “Com a grande concorrência do mercado, a equipe motivada que acredita em seus gestores e sua empresa garante o diferencial”.

Essa notícia foi publicada na PEGN, em 10/05/10.