Apenas 4% de pisos salariais ficam acima de R$ 1 mil em 2009

Data 30/01/2012

 

Foram analisados os pisos acordados em 635 unidades de negociação.

Apenas 3,8% dos pisos salariais acertados entre as diversas profissões dos quatro setores (indústria, comércio, serviços e rural) ficaram acima dos R$ 1 mil em 2009, segundo dados divulgados pelo Dieese nesta sexta-feira.

A faixa que teve maior acúmulo de pisos estipulados foi a que vai de R$ 500 a R$ 600, com 37%. A média foi de R$ 540. Apenas 2,1% dos acordados ultrapassavam a casa dos 3 salários mínimos (na época de R$ 465).

A maior parte dos reajustes ficou entre 0,01% a 6% acima do valor do INPC registrado no ano anterior. Apenas 6,1% dos pisos foram reajustados com mais de 10% de ganho real.

A Indústria foi o setor que fez maior porcentagem de reajustes com ganho real acima dos 10%, com 9,4%. Na área rural, 3,2% tiveram ganho acima do INPC na casa dos dois dígitos, contudo nenhum piso do setor foi reajustado sem ganho real, o que foi verificado em todos os outros.

Os maiores pisos salariais acordados foram registrados nas regiões Sudeste e Nordeste, o que fez com que as duas regiões liderassem também a tabela de maior diferença entre maiores e menores pisos.

A média dos salários para pessoas com nível universitário foi de R$ 1.388,45, enquanto para quem não tem diploma superior ficou em R$ 588,06.

Foram analisados os pisos acordados em 635 unidades de negociação.

Essa notícia foi publicada no Administradores, em 18/06/10.


Comentários