Benefícios e bom salário são principais atrativos em vagas para deficientes

Data 07/12/2015

De acordo com os dados de uma pesquisa da Catho e da consultoria iSocial, 60% das pessoas com deficiência acreditam que um bom salário é o que mais chama a atenção na hora de aceitar um novo cargo. O pacote de benefícios/plano de carreira aparece logo abaixo, tendo sido mencionado por 58% dos entrevistados.

Já para 63% dos profissionais de RH, a acessibilidade é o principal aspecto a tornar uma vaga de emprego atrativa para uma pessoa com deficiência. O ambiente de trabalho (colaboradores sensibilizados e informados sobre o público) foi citado por 52% dos entrevistados.

Os dados da pesquisa da Catho e da iSocial demonstram uma disparidade entre a forma como profissionais de RH e pessoas com deficiência enxergam o mercado de trabalho para esses profissionais.

14% dos pessoas com deficiência acreditam que o mercado para pessoas com algum tipo de deficiência está aquecido.

Segundo a pesquisa, 14% das pessoas com deficiência acreditam que o mercado para pessoas com algum tipo de deficiência está aquecido. Já para o departamento de RH, 41% dos entrevistados afirmaram ter essa percepção.

A diferença entre as visões de pessoas com deficiência e do setor de RH vem se repetindo ano a ano. Em 2014, a pesquisa da Catho e da iSocial revelou que 13% dos profissionais com deficiência acreditavam que o mercado de trabalho estava aquecido para eles, enquanto 48% dos responsáveis por RH tinham essa impressão em relação às oportunidades para pessoas com deficiência.

Já em relação à qualificação de pessoas com algum tipo de deficiência, 47% dos profissionais de RH disseram que a capacitação dos pessoas com deficiência está na média ou acima dela. Em 2014, esse percentual era de 54%.

Essa notícia foi publicada no site Monitor Digital, em 02/12/2015

Veja mais:

Desinformação trava contratação de portadores de deficiência

Cresce a contratação de pessoas com deficiência no mercado de trabalho

Proposta aumenta cota de portadores de deficiência em empresas privadas

 

Comentários