Carreira sem prazo de vencimento

Data 12/05/2014

*Por Silvia Osso

Há alguns anos escrevo para sites e revistas e tenho insistido em repetir que com o aumento substancial da expectativa de vida o desafio é também reinventar a vida profissional. Não costumo distinguir as carreiras para jovens e para maduros porque sempre provei que quando se trabalha no que gosta a empregabilidade não tem prazo de vencimento. Há no mercado brasileiro e internacional muitos exemplos disso.

A mudança do perfil profissional se deve a evolução da economia, do mercado de trabalho e em virtude de vários fatores como economia digital, tecnologia, globalização, fusões e aquisições. Jovens profissionais com excelente formação e conhecimentos tomaram a dianteira nas organizações. O que poderia ser visto como um processo evolutivo normal, tem tido um efeito preocupante devido à exclusão de profissionais também exemplares com mais de 40 anos e que já demonstraram seu valor por várias vezes ao longo de décadas e de crises.

O mercado de trabalho no passado recente poderia ter certa restrição aos profissionais acima de 40 anos, pois nas décadas de 70 e 80 as pessoas não cuidavam muito da qualidade de vida e, por vezes nesta idade, apresentavam problemas de saúde, exaustão e redução da capacidade de trabalho. Atualmente as pessoas estão atentas à saúde e qualidade de vida e encontramos muitas acima de 40 anos que estão totalmente em forma sob os âmbitos: familiar, acadêmico, maturidade pessoal e profissional.

Eu mesmo, uma profissional de quase 65 anos, com boa formação e experiência, me surpreendo quando ao trabalhar com executivos de 28 ou mais anos, pois vejo que tenho muito a aprender com eles e o ritmo de trabalho e grau de inovação deles em nada ficam devendo ao meu. Como amo o meu trabalho e tenho grande prazer em exercê-lo, faço-o muito bem e por causa disso recebo contínuas ofertas de trabalho e solicitações de efetuar trabalhos de “mentoring” em empresas.

Por outro lado, percebo que a maioria das empresas e profissionais estão perdendo em termos de compartilhar experiência acumulada, inovação, valores éticos e tantas possibilidades que em muito iriam enriquecer a vida e a carreira de todos. Acredito que profissionais jovens com boa formação acadêmica têm muita informação, porém o conhecimento precisa de experiência e saber usá-las na prática, pois experiência é um item que apenas vem com o tempo e que os profissionais mais maduros a possuem para compartilhar.

Penso que é importante compartilhar a grande experiência profissional e de vida dos maduros com o conhecimento e a impetuosidade dos jovens. Dessa forma, podemos efetivamente ajudar o País a ser um lugar melhor para se viver e se trabalhar.
Sei que parte da solução está justamente em nossas mãos, temos que cada um do seu jeito fazer a diferença e começarmos a mudar esta equação que está apenas subtraindo resultados da economia e da sociedade. Como disse acima, acho que a empregabilidade está nas mãos daqueles que fazem acontecer independentemente de suas idades, mas nem sempre os executivos pensam assim.

A seguir sugiro algumas dicas que podem ajudar a evitar que você chegue ao seu prazo de vencimento:

SE VOCÊ TEM MENOS DE 40 ANOS:

-Reveja seus mapas mentais (a maneira como você interpreta a realidade), pois os profissionais com mais de 40 anos tem energia e dinamismo tão grande quanto às de um jovem.
-Não se sinta intimidado por profissionais mais velhos, todos somos no fundo colegas de trabalho e  sempre temos algo que aprender uns com os outros.
-Lembre-se: um dia você terá mais de 40 anos, portanto a questão não deve ser pessoal e sim de competências.
-Se você for contratar alguém, não se preocupe com a idade, mas sim com o caráter, experiência e potencial do profissional.
-Procure aconselhamento  ou consultoria para aprender a lidar com subordinados mais maduros que você e demonstre a eles que você tem interesse em aprender a se relacionar e resolver problemas.
-Estimule nas equipes um clima de troca de experiências e um relacionamento de igualdade entre os colaboradores, ajude a mostrar que todos sempre ganham com a diversidade.
-Comece a programar sua carreira hoje, pensando no que vai querer ou poder fazer após os 40 ou 50 anos. Eventualmente, aproveite a oportunidade para desenvolver uma segunda carreira ou uma nova fase da mesma carreira que exerce hoje.

SE VOCÊ TEM MAIS DE 40 ANOS:

-Também reveja seus mapas mentais, pois a realidade mudou e você terá com certeza um bom tempo pela frente e é bom preparar-se para ser pró-ativo e inovador usando a experiência acumulada para visualizar e explorar novas oportunidades.
-Veja que este pode ser um momento de rever sua carreira pessoal e profissional e pense no que quer fazer na segunda metade de sua vida tais como uma carreira para um nível diferente, ou até mesmo optar por uma nova carreira.
-Seja criativo, inove, tente aprender algo com os mais jovens ao seu redor e faça efetivamente parte do time sem críticas ou restrições.
-Ajude seus colegas e colaboradores a superar eventuais diferenças e a usufruir de um clima de troca de experiências e aprendizado mútuo.
-Lembre-se que sua vida pessoal é a sua carreira mais longa e, portanto invista nela, passe tempo com sua família, amigos, desenvolva bons relacionamentos e seja feliz também fora do trabalho.

Sugiro que pensem no que disse e reposicionem suas carreiras. A vida é longa e há ainda muito a fazer pelo País. Sucesso para todos nós!

*Silvia OSSO é palestrante e consultora de empresas, jornalista e especialista em varejo. Também é autora dos livros “Atender bem dá lucro”, “Programa Prático de Marketing para Farmácias” e “Administração de Recursos Humanos”.

Compartilhe:

Comentários