Como criar a equipe dos sonhos?

Data 30/03/2011

 

Para alcançar resultados, o líder muitas vezes sabe quais são as pessoas que precisa contratar. Porém, a questão se torna complexa quando encontra pela frente o desafio de integrar a equipe para alcançar os objetivos desejados. Montar o time dos sonhos se tornou um dos principais desafios dos líderes nas corporações.

O primeiro passo que todo líder empresarial deve seguir para criar, desenvolver e engajar uma equipe depende dele: é a reflexão. O líder deve prestar atenção em suas atitudes e práticas. Isso se torna evidente quando algum liderado não concorda com o estilo de liderança da chefia e começa a questioná-lo.

As atitudes do líder são fundamentais para o sucesso da equipe. Para isso, o líder ou as lideranças precisam ter bem definidos três princípios básicos, tais como:

Estabelecer objetivos ou metas – É importante ter bem claro para onde a empresa quer ir, para que o gestor possa levar seus subordinados, os chamados executores. Definir o norte a ser percorrido torna as decisões mais assertivas, evitando decisões medrosas, inseguras. 

Esse é o papel de um líder. Hoje, na maioria das empresas, esse princípio básico não é respeitado. As pessoas desconhecem suas metas. Além disso, nessa etapa, é fundamental que esses objetivos ou metas estejam alinhados com o propósito maior da organização. Esse propósito deve caminhar ao lado da missão e dos valores da companhia.

Outra tarefa indispensável ao estabelecer objetivos ou metas, é que sejam específicas, mensuráveis, alcançáveis, relevantes e temporais (com datas determinadas), caso contrário, estarão sujeitas ao fracasso.

Planejar os objetivos – Cabe ao gestor ou líder também fazer com que a equipe entenda a razão do objetivo. O planejamento é o momento da produção intelectual. Nessa fase da gestão, o líder precisa planejar a estratégia para alcançar o objetivo proposto, organizar a equipe (quem faz o quê) e prover os recursos disponíveis (pessoas, equipamentos, infraestrutura etc). É o momento de enxergar um passo à frente, prever possíveis problemas e suas soluções.

Treinar/capacitar a equipe – Um bom gestor conhece as habilidades e competências técnicas e comportamentais de sua equipe. Nessa etapa, o líder precisa treinar a equipe ou se assegurar de sua capacitação para o desempenho das funções para as quais foi nomeado. 

Muitas empresas que crescem rapidamente promovem executores a cargos de liderança sem capacitá-los antes. 

Esse profissional precisa de um tempo para assimilar as novas atribuições. Muitos técnicos se frustram ao subir de posição, pois acabam desempenhando funções com as quais não se identificam. É necessário sempre estimular o feedback com as equipes. Uma coisa é ser executor, outra é ser líder de executores, e outra, o líder que lidera líderes.

Motivar/mobilizar/engajar a equipe – Aqui, o principal dos desafios. A motivação de qualquer equipe passa pelo desafio e pelo reconhecimento constantes. O líder precisa desafiar e, ao mesmo tempo, reconhecer o resultado alcançado.

Algumas empresas possuem políticas claras, principalmente funções ligadas à área de vendas, como bônus, comissões, prêmios etc. Mas essa não é a única forma. O tratamento pessoal, na maior parte das vezes, acaba tendo mais valor que qualquer outro benefício palpável. 

O gestor precisa estar atento a essa prática. Muitas vezes, a experiência do profissional e sua formação ficam ofuscadas pela falta de engajamento, pela dificuldade de agir como participante de um time e a ausência de motivação.

Costumo orientar os gestores com a seguinte frase: “O verbo de um líder é ação – promova a inovação, envolva, treine. Certamente você será bem-sucedido em seu propósito.”

Essa matéria foi publicada no HSM, em 28/03/2011.