Empresários discordam da redução da jornada de trabalho para 40 horas

Data 10/02/2010

 

Representantes dos empresários disseram ao presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), serem contrários à redução da jornada de trabalho das atuais 44 horas para 40 horas semanais como prevê proposta de emenda à Constituição (PEC), em tramitação na Casa. Eles saíram, há pouco, de uma reunião com o presidente. “Aprovar a proposta nesse ano é eleitoreiro”, disse o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), deputado Armando Monteiro Netto (PTB-PE).

Segundo Monteiro Netto, a crise que o Brasil passou não permite que a indústria assuma mais gastos para produzir com a redução da carga horária, calculada em torno de 2%. Ele acredita que essa redução da jornada de trabalho causará um impacto forte no setor, que poderá causar desempregos. De acordo com o presidente da CNI, não se cria emprego com legislação nenhuma e sim com investimentos.

Para Monteiro Netto, essa proposta precisa ser mais bem debatida e não pode ser uma regra geral para todo o país, tem que ser levado em conta as diferenças regionais. Segundo ele, muitas indústrias, na prática, já adotam uma carga horária menor, “mas tornar a medida obrigatória seria drástico para a indústria”.

O vice-presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Roberto Della Manna, que também participou da reunião, disse que os empresários não podem aceitar a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais. “Não há possibilidade nem mesmo de haver uma redução gradativa, a cada ano”, disse o dirigente da Fiesp.

Temer disse que vai continuar negociado com os dois lados à busca de um entendimento que viabilize a votação da PEC. “Temos que ouvir os dois lados”. Ele informou que vai levar aos líderes partidários, em reunião, uma proposta para a redução gradual da carga horária, sem que haja aumento da hora extra, “e que atenda tanto os empresários quanto os trabalhadores”.

Enquanto aguardavam a reunião de Temer com com os empresários, os defensores das 40 horas se manifestaram tocando tambores, na tentativa de sensibilizar os deputados.

Essa notícia foi publicada na Agência Brasil, em 09/02/10