Empresas e profissionais estão mais preocupados com o projeto de vida no pós-carreira

Data 30/01/2012

 

A aposentadoria é uma fase da vida das pessoas que deve ser encarada com naturalidade. Embora às vezes traga alguma insegurança, pode trazer, também, muita satisfação, desafios e realizações.

É o que apontam os dados da Career Center, empresa especializada em Recursos Humanos e Gestão de Carreiras. Uma demanda que os consultores da Career Center recebem cada vez mais é a de executivos e profissionais que fazem uma transição de carreira para construir um novo projeto de vida na aposentadoria. Dos programas de preparação após a vida corporativa iniciados em 2007 pela Career Center, 25% foram para negócio próprio e dos programas iniciados em 2008, 40% seguiram o mesmo caminho.

Esses profissionais saem da vida corporativa, mas não desistem de manter uma atividade profissional. A aposentadoria é uma fase da vida das pessoas que deve ser encarada com naturalidade. Embora às vezes traga alguma insegurança, pode trazer, também, muita satisfação, desafios e realizações. O fato é que quando se fala em aposentadoria, a reação é diferente em cada pessoa e pode influenciar toda a família.

Atualmente, a visão que se tem do aposentado está mudando por diversos fatores. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pessoas acima de 60 anos representam 10,5% da população brasileira – mais de 18 milhões de pessoas e a previsão é que esse número dobre nos próximos anos. Segundo dados da Previdência Social, a participação de pessoas com idade entre 55 e 59 anos no total de concessões de aposentadorias por meio de contribuição passou de 31,8% em 2005 para 34% em 2007. Por tudo isso, profissionais que estão nessa fase bem como as empresas em que trabalham estão na crescente procura por consultores que fazem o planejamento de pós-carreira.

Segundo Karin Parodi, diretora da Career Center, os fatores que explicam esta realidade são o aumento da expectativa de vida e a melhora nas condições de saúde, que possibilitam a ampliação da vida ativa. Além disso, muitos profissionais postergam o nascimento dos filhos, o que acaba exigindo que exerçam uma atividade produtiva por mais tempo; pessoas na faixa dos 60 anos querem se manter ativas e participantes. Dados levantados pela Career Center entre seus clientes apontam que, dos programas fechados com as empresas, 75% trabalham com previsão de aposentadoria/saída da organização aos 60 anos.

As empresas se preocupam em apoiar e planejar o futuro do profissional que dedicou boa parte de sua vida ao desenvolvimento da carreira ao mundo corporativo. O objetivo das organizações é amenizar os impactos deste processo. "É importante que a saída do executivo ou profissional ocorra sem traumas tanto para ele como para a própria empresa, pois há o conhecimento tácito e explícito que será levado nessa transição", afirma Karin Parodi. Os pilares que são trabalhados por um consultor especializado neste tipo de programa são os aspectos físicos, emocionais, financeiros de novas atividades profissionais ou outras atividades que tragam satisfação/realização ao indivíduo.

Essa notícia foi publicada no Administradores, em 11/06/10.