Empresas familiares: falta de profissionais qualificados é a principal preocupação

Data 08/11/2010

 

A falta de profissionais qualificados é considerada a principal preocupação das empresas familiares em todo o mundo para os próximos 12 meses. É o que revela um estudo realizado pela PricewaterhouseCoopers com 35 países das Américas, Europa, Oriente Médio e Ásia-Pacífico.

A gravidade do problema varia de acordo com a região, já que nos mercados desenvolvidos a falta de qualificação de mão de obra foi indicada por 34%, enquanto nos mercados emergentes o número chega a 54%.

Somente no Brasil, esta resposta foi dada por 63% dos empresários. O índice é superior à média global, que é de 38%.

Retenção de profissionais

Para evitar que a situação se agrave, as empresas adotam medidas para reter os melhores profissionais. No Brasil, a principal ação é oferecer desafios de trabalho aos funcionários, indicados por 63%. A média global é de 38%.

A remuneração aparece em segundo lugar, com 82% no Brasil e 75% no mundo. Foram citados ainda desenvolvimento de carreira e equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. No Brasil, os índices foram de 74% e 69%, respectivamente.

Entre os brasileiros, apenas 4% declaram que utilizam de boas técnicas de gestão para evitar a saída do profissional da empresa. Já nos outros países, a porcentagem é de 59%.

Sucessão

Os dados também apontam sobre a sucessão nas empresas familiares. No Brasil, 45% dos entrevistados disseram que não existe um plano para funções mais importantes de nível executivo. A média mundial é de 47%.

Já outros 28% brasileiros responderam que há para um número limitado de cargos de executivos, enquanto 12% disseram que elaboram um plano de sucessão para todos os executivos. Apenas 2% das empresas brasileiras declararam que não sabem sobre o assunto.

A escolha do sucessor da empresa não é uma escolha fácil de se realizar. Dos entrevistados brasileiros, 45% afirmaram que já escolheram um sucessor, enquanto 55% disseram que não. Na análise global, 50% disseram que já escolheram alguém para substituir

Sobre a pesquisa

O estudo foi realizado com 1.606 executivos de 15 setores de atividade entre 26 de maio e 17 de agosto de 2010, sendo 100 deles do Brasil.

Essa notícia foi publicada na Info Money, em 05/11/10.