Equipes de alta performance

Data 20/10/2010

*Por Arthur Diniz

A soma dos esforços não gera sinergia. Uma coisa é conseguir resultados individuais. Outra, completamente diferente, é conseguir que o trabalho seja feito em equipe e com sinergia no processo. Se cada integrante da equipe fizer força para um lado diferente, não se chega a lugar algum. Muitos líderes se esquecem disso.

Os principais obstáculos encontrados nas equipes com que tenho trabalhado são:

Problemas de relacionamento entre membros da equipe;

  • Egos maiores do que os sonhos;
  • Desconhecimento de objetivos e papéis de cada indivíduo;
  • Resistência às mudanças e luta pela manutenção do status quo;
  • Conflitos entre os membros;
  • Dificuldade da liderança em praticar o empowerment, visando o fortalecimento da maturidade da equipe.

A construção de uma equipe de alta performance é possível, mas é necessário que se dê foco ao trabalho em equipe. Essa montagem se dá passo a passo, como veremos abaixo:

O primeiro passo é a definição clara do objetivo a ser alcançado, que deve ser um desafio tão forte a ponto de virar um sonho, uma paixão do grupo. Esse é um ponto chave para a construção das equipes, mas quase sempre é deixado de lado pelos líderes no dia a dia das empresas. Raramente encontram-se exemplos de líderes que se reúnem com suas equipes para juntos construírem esse sonho.

Nas empresas clientes da Crescimentum, costumamos aplicar um diagnóstico de equipes para entender onde estão os desajustes do grupo a ser treinado. O tópico que costuma receber nota mais baixa dos participantes é a clareza da visão e o quanto isso os inspira. E é obvio que se não estiverem inspirados com o objetivo, não alcançarão alta performance.

Algumas crenças falsas acabam por suportar esse comportamento por parte dos líderes das equipes. Alguns partem do pressuposto de que as metas já foram traçadas pela alta direção. Como não podem questioná-las ou alterá-las, pra que perder tempo com isso? “Vamos focar nossos esforços pra cumprir as metas. O resto é pura perda de tempo”. Outros entendem que cada um deve saber somente a sua parte e fazer acontecer. “A soma das partes faz o todo. Só o líder precisa entender o contexto geral e direcionar a todos”. E por aí vai. Baseados nesses falsos pressupostos, esse líderes se perdem na parte mais importante para o sucesso da equipe. Nada é mais poderoso do que um sonho comum. Uma equipe que sabe aonde quer chegar e tem orgulho desse sonho, não tem limites.

Mas como fazer então para arquitetar esse sonho nas mentes dos integrantes da equipe? Como deixar a todos inspirados?
Na minha experiência, o que causa um impacto mais profundo numa equipe é a construção conjunta desse sonho. A pergunta chave a ser feita a equipe é: Independente das metas definidas pela empresa, que realização vai nos deixar orgulhosos de fazer parte dessa equipe?

Essa pergunta pode inclusive ser respondida através de um artigo escrito em conjunto pelos integrantes da equipe.

Experimente: Junte sua equipe e peça a cada um que escreva um artigo a ser publicado em uma revista de sucesso dez anos depois da data do exercício. Esse artigo deve ser desafiante, instigante e inspirador. Depois disso, todos da equipe leem seus artigos em voz alta e todos escolhem as melhores partes dos artigos para fazer uma composição única. O resultado costuma ser fantástico. Depois disso, o ideal é enquadrar essa visão e colocar nas paredes da área de trabalho para lembrar a todos do sonho.

O segundo passo é transformar esse sonho maior em metas menores, que serão divididas entre os integrantes da equipe. Essas sub metas quando somadas resultarão na realização do objetivo maior.

Depois disso vem a realização das metas. O líder deve nesse momento identificar claramente o perfil, pontos fortes e fracos de cada integrante da equipe, para usar a diversidade de perfis e competências a favor do grupo. Conhecer cada integrante da equipe é fundamental para a correta distribuição dos papéis de cada um. Cabe ao líder delegar tarefas e dar autonomia a equipe para que os resultados possam ser maximizados.

Outro ponto chave é o desenvolvimento de relacionamentos baseados em respeito e confiança mútua. A melhor forma para se desenvolver relacionamentos assim é a definição clara de papéis e também de regras de convivência. Deve-se seguir com rigor os quatro elementos da confiança:

  • Credibilidade – “Eu cumpro o que prometo, faço o que digo”
  • Coerência – “Eu digo as coisas que penso e não aquilo que a outra parte gostaria de ouvir”
  • Aceitação – “Eu entendo que os outros sejam diferentes de mim, seja no que diz respeito às ações, sentimentos ou valores. Procuro não julgar meus companheiros”
  • Sinceridade – “Eu divido o que tenho com as outras pessoas, abro o jogo quanto a sentimentos, fatos, informações etc.”

Uma equipe sem confiança entre seus membros não chega a lugar algum. Além desses elementos, uma equipe vencedora precisa também de reconhecimento constante e feedbacks sinceros por parte de todos seus integrantes.

O ciclo se fecha com uma liderança inspiradora. O líder é fundamental na construção de uma equipe de alta performance. O passo a passo para o líder nesse caminho é:

  • Compartilhar missão, visão e valores da empresa com a equipe;
  • Servir, atendendo as necessidades individuais e da equipe;
  • Transformar o objetivo comum em um sonho;
  • Colocar as pessoas nos lugares certos;
  • Ouvir e corrigir;
  • Comunicar, comunicar, comunicar…;
  • Tentar matar as intrigas e fofocas;
  • Comemorar cada conquista.
     

Podemos ver esse ciclo da alta performance refletido no quadro acima. É o que chamamos de ciclo virtuoso das equipes. O líder pratica o empowerment, compartilhando responsabilidades e autoridade com a sua equipe. Dá feedback constante a equipe, buscando o crescimento de todos. Mostra o seu comprometimento com a equipe todos os dias, dando sempre o exemplo a todos. Está aberto a ouvir e não para nunca de se comunicar com todos. Esse processo gera ume equipe inspirada e a certeza de resultados extraordinários, mas nada disso acontece se não houver um objetivo comum, um sonho, uma meta compartilhada por todos. Só com a posse comum desse sonho uma equipe pode atingir resultados extraordinários. 
“Um líder só pode ser considerado extraordinário quando sua equipe tiver uma performance extraordinária”

Autor Desconhecido

Arthur Diniz é economista, tem MBA pela Columbia Business School, Certificado Internacional de Coaching pela Lambent e pelo Erikson College no Canadá, e curso de extensão em Coaching Estratégico pela FIA-USP. Atua como coaching e é fundador da Crescimentum Coaching for Performance.