Executivos vão às universidades para atrair talentos

Data 04/12/2012

Na tentativa de ser mais "certeira" em seus processos de seleção de jovens profissionais, a multinacional de bens de consumo Unilever está levando seus executivos para conversar com universitários em sala de aula.

A companhia lançou neste semestre um projeto que introduz, nas classes de cursos que vão de administração a contabilidade, passando por marketing e engenharia, casos práticos de negócios ocorridos na corporação.

Diretores de áreas de negócios da multinacional apresentam informações sobre o mercado e os produtos e marcas da empresa e discutem com os alunos sobre as possíveis soluções para os casos.

O objetivo, segundo Joana Rudiger, gerente de talentos da Unilever, é aproximar os mundos acadêmico e de negócios e, com isso, fazer com que estudantes estejam mais preparados ao fazer suas escolhas profissionais.

"No final, isso também irá auxiliar nossos próprios processos seletivos, pois esse candidato irá se apresentar a nós entendendo melhor a empresa, o nosso mercado e a área de negócio em que gostaria de atuar", diz Joana.

Nove universidades, entre elas as públicas Unicamp e USP, estão no projeto neste ano. No total, cerca de mil alunos de graduação participaram dos encontros com executivos e da elaboração dos planos de negócios. Em 2013, o plano é chegar a 25 instituições e 2.000 alunos.

Dona de um dos programas de trainee mais concorridos do Brasil, com mais de mil candidatos por vaga, a Unilever tenta, com a iniciativa, se diferenciar da crescente oferta de programas de treinamento para recém-formados.

Estima-se que existam pelo menos 60 programas para seleção de trainees no mercado brasileiro atualmente.

Além disso, segundo Rudiger, o empreendedorismo, especialmente na área digital, passou a disputar com as companhias a preferência dos recém-formados.

VIDA REAL

Em uma das levas do programa, realizada na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), o desafio proposto a alunos da disciplina de marketing foi como fazer a marca de maionese Hellmann's crescer e ganhar participação na categoria.

Essa questão foi um dilema na "vida real" da companhia há poucos anos.

Diretor de marketing de uma das unidades de negócios da Unilever, o executivo Robert Emmer participou das discussões com cerca de 40 alunos. "Eles se depararam com questões como a falta de informações em alguns mercados e a necessidade de ir a campo buscá-las."

"O interessante é mexer com um produto de verdade, sem correr o risco de errar de uma situação profissional real", diz Thiago Picelli, estudante de comunicação social.

*Essa notícia foi publicada no site Folha de São Paulo, em 2/12/2012

Comentários