Franceses ganham direito a ‘folga de e-mail’ fora do horário de trabalho

Data 05/01/2017
Homem andando na rua e mexendo no celular

Homem andando na rua e mexendo no celular

Entrou em vigor em 1º de janeiro uma nova lei, que foi apelidada de “direito de se desconectar”.

Empresas com mais de 50 funcionários serão obrigadas a elaborar uma carta de boa conduta estabelecendo quais são os horários fora da jornada de trabalho – normalmente o período noturno e o fim de semana – quando eles não deveriam enviar ou responder e-mails profissionais.

Os defensores da nova lei afirmam que os funcionários dos quais se espera que respondam aos e-mails de trabalho no horário de folga não estão recebendo um pagamento justo por estas horas extras.

Eles afirmam ainda que essa prática aumenta o risco de o funcionário sofrer de estresse, Síndrome de Burnout (esgotamento físico e mental), problemas do sono e dificuldades nos relacionamentos.

“Todos os estudos mostram que há hoje muito mais estresse relacionado ao trabalho do que antigamente, e o estresse é constante”, afirmou o parlamentar socialista Benoit Haman à BBC, em entrevista concedida em maio, quando a lei foi aprovada. “Os funcionários saem do escritório, mas não deixam o trabalho em si. Eles são mantidos presos em uma espécie de coleira digital, formada por mensagens de celular e e-mails. Assim, as empresas invadem a vida da pessoa ao ponto que ela acaba surtando.”

Limites

A nova medida é parte de uma série de novas leis trabalhistas aprovadas em maio. E esta foi a única das medidas do pacote – que também facilitou a contratação e demissão de funcionários – que não gerou protestos e greves. A semana de trabalho na França, desde o ano 2000 é de 35 horas.

Outras empresas já tinham tentando impor limites ao uso do e-mail de trabalho fora do horário normal.

Um exemplo é a montadora alemã Daimler, que estabeleceu um serviço opcional para os funcionários que saem de férias: ao invés de enviar uma resposta automática avisando que está longe do escritório, eles podem optar por ter todos os novos e-mails, que chegarem durante o período de férias, apagados.

Piadas e descrença

O “direito de se desconectar” já foi motivo de piada na imprensa quando foi sugerido pela primeira vez, com ironias a charges de inspetores bisbilhotando os trabalhadores mais conectados.

Mas o governo francês afirma que o problema de se ficar sempre conectado é grave, universal e está crescendo – por isso defendeu uma intervenção por meio da lei.
Outros duvidaram que a restrição vá funcionar. Isto porque a nova lei não prevê sanções às companhias que desrespeitarem os limites.

Essa notícia foi publicada no site BBC Brasil, em 03/01/2017

Comentários