Horário comercial está com os dias contados

Data 16/11/2011

A pressão por resultados e o rápido crescimentos das empresas, dentre outros fatores, estão forçando certos profissionais a trabalhar mais do que deveriam. Aqui no Brasil, cerca de 43% das pessoas cumprem jornadas de trabalho entre nove a 11 horas diárias, e 17% trabalham mais de 11 horas, regularmente.

Além disso, para 46% dos profissionais do país, levar as tarefas corporativas para casa é algo bem comum. Vale ressaltar ainda que os homens brasileiros têm quatro vezes mais chances de trabalharem 11 horas por dia, do que as mulheres.

Em todo o mundo, pessoas que têm a possibilidade de trabalhar remotamente estão mais propensas a ficar 11 horas por dia (14%) conectadas às tarefas corporativas, e isso acontece apenas com 6% dos funcionários que atuam em escritórios fixos.

Quando o assunto é levar trabalho para casa, os profissionais remotos lideram, com 59% de adesão entre os pesquisados. Quanto aos colaboradores com local de trabalho fixo, 26% carregam consigo o trabalho pendente.

"Este estudo mostra que existe uma indefinição entre os limites do trabalho e a vida pessoal. No Brasil, onde o problema do estresse relacionado à pressão por resultados está crescendo, os efeitos a longo prazo desse excesso de trabalho podem prejudicar tanto a saúde do profissional como a sua produtividade, já que os próprios funcionários exigem demais de si mesmos e ficam frustrados, depressivos e até mesmo fisicamente doentes", considera Guilherme Ribeiro, diretor geral da Regus no Brasil, empresa que atua com espaços de trabalho e responsável pela pesquisa.

Por outro lado, o levantamento considera que há cada vez mais evidências de que funcionários remotos são mais produtivos, têm uma maior satisfação com o resultado do seu trabalho e apresentam níveis menores de estresse, já que podem administrar melhor o seu tempo e com mais independência.

Essa notícia foi publicada no Você RH, em 11/11/2011.

Comentários