4 argumentos para convencer o board a investir em tecnologias para RH

Data 14/09/2020

O que 2021 nos reserva? O planejamento em um cenário tão incerto não é tarefa fácil. Mesmo assim, a área de Recursos Humanos precisa lidar com as mudanças e aumentar suas ações estratégicas. Por isso, é hora de investir em tecnologias para RH.

Segundo relatório da consultoria Delloitte, “estratégias de força de trabalho para recuperação pós covid-19” as tendências para o futuro do trabalho levam a organizações descentralizadas, conectadas por plataformas digitais e capazes de produzir em qualquer lugar a qualquer hora. Estas mudanças já estavam acontecendo à medida em que os avanços na tecnologia mudam o trabalho em si, quem o faz e onde deve ser feito.

Agora, diante da crise trazida pela covid-19, as empresas voltadas para essa mentalidade de Futuro do Trabalho serão mais resilientes para lidar com tempos incertos e mais capazes de se adaptar e prosperar.

Mas e o impacto disto na agilidade e disseminação da cultura organizacional? Será, portanto, essencial pensar em soluções que ofereçam suporte à área de RH e deixem seus gestores livres para assumir um papel estratégico ao lado do board.

Porém, como convencer a alta gestão a investir em tecnologias para RH em um cenário de pressão para reduzir gastos e imprevisibilidade? Com a ajuda de Thomas Khalil, Diretor Administrativo e Financeiro e de Gente e Gestão da LG lugar de gente, separamos 4 argumentos para levar à mesa do board de sua empresa.

1- Cenário sem precedentes

Esta não é uma crise típica. Portanto, 2021 não será um ano comum de recuperação. Dada a falta de terapêuticas eficazes e a falta de perspectiva de vacinação da população, as organizações devem se preparar para vários cenários, inclusive a possibilidade de várias ondas da pandemia, em diferentes níveis pelo mundo.

Para Thomas, investir em tecnologias para RH vai munir os gestores do máximo de ferramentas possíveis para manter as equipes engajadas, produtivas e resilientes, conectadas aos colaboradores e ao propósito da organização.

2- Economia em outras áreas

Não é de hoje que o home office é tendência para evitar o trânsito e flexibilizar horários em várias empresas. Porém, o trabalho remoto virou realidade com pandemia e deve fazer parte do “novo normal” em 2021. Nesse contexto, segundo Thomas Khalil, investir em tecnologias para RH — e software de gestão em geral — pode viabilizar a reformulação permanente do local de trabalho, gerando uma grande economia em infraestrutura.

Várias empresas estão repensando a necessidade de seus espaços físicos e reuniões presenciais depois da necessidade e experimentação de soluções digitais. “A gente costumava fazer viagens só para ter reuniões pessoalmente”, explica Thomas.

“Agora provamos e vimos que é possível fazer isto por vídeo ou através de outras ferramentas, sem perder qualidade. Imagine a economia de tempo e dinheiro”, concluiu o diretor.

3- Ganho em Agilidade

Ferramentas digitais sempre trazem ganho de produtividade. Para Thomas, este é o principal benefício. “Às vezes você perde uma coisa ou outra em fazer uma tarefa sem o processo convencional, mas ganha muito em agilidade”, garante Thomas.

Thomas Khalil investir tecnologia RH
Thomas Khalil, Diretor Administrativo e Financeiro e de Gente e Gestão da LG lugar de gente

Com a pandemia, a automação das atividades e formas não-presenciais mostraram-se extremamente importantes para a continuidade dos negócios. Daqui para frente, estar preparado para este tipo de situação deve ser mandatório.

Thomas reforça que na área de RH não é diferente: “Contratações, feedbacks e treinamento eram assuntos em que a tecnologia talvez não fosse fundamental. Agora, vimos a importância de alternativas digitais também para estas tarefas estratégicas. E como, com as ferramentas certas, é possível realizá-las remotamente, sem perdas significativas”, apontou o diretor.

Para ele, além de garantir a sobrevivência durante a pandemia, investir em tecnologias para RH também foi importante para quebrar paradigmas.

4- People Analytics para basear a tomada de decisões

Plataformas virtuais podem gerar uma quantidade enorme de dados sobre a empresa. Esse material pode se tornar um indicador valioso para a tomada de decisões mais assertivas.

“Quanto mais informações dentro de uma plataforma, mais eu consigo fazer cruzamentos e utilizar este conhecimento. Tanto no âmbito imediato, como em futuras ocasiões”, afirma Thomas.

Com os dados, as estratégias não precisam ser baseadas em “feeling” e facilitam a gestão do conhecimento. Assim, é possível ganhar insights preciosos sobre a produtividade e cultura organizacional ao investir em tecnologias para RH.

Por que é importante a proatividade do profissional

Em geral, o ideal é mostrar para o seu board como, a longo prazo, as empresas exigirão o compartilhamento transparente de conhecimento, experimentação ativa e adaptação rápida a cenários diversos.

Portanto, vai ser preciso replicar adequadamente para um ambiente virtual as mesmas conexões avançadas que fazemos quando compartilhando um espaço físico. A tarefa é difícil, mas totalmente possível quando usadas as ferramentas certas, dentro de uma estratégia bem elaborada pela gestão de RH.

O diretor financeiro tem muitas preocupações além do RH, então é muito importante uma proatividade do próprio gestor da área em fazer estes cálculos e mostrar quais são os ganhos financeiros e de produtividade ao se investir em tecnologias.

“No passado, criou-se a cultura de que o RH sempre queria mais. Não fazia parte do escopo do profissional de Recursos Humanos a mensuração de custos. Hoje, é necessária essa visão estratégica”, garante Thomas.

Na hora da conversa, procure apresentar em números o quanto uma ferramenta pode trazer de produtividade e inovação para sua empresa.

Precisando de dicas para o planejamento de RH para 2021? Clique aqui e veja como elaborar o orçamento, tecnologias que deve considerar para o próximo ano, como escolher um fornecedor de confiança e muito mais.

Comentários