Maior parte dos brasileiros não acredita que perderá emprego em seis meses

Data 13/10/2010

 

A classe AB é a que sente mais segurança no emprego, bem como os moradores das regiões Norte e Centro-Oeste do País.Questões sobre sustentabilidade e assuntos relacionado

A maior parte dos brasileiros não acredita que perderá o emprego nos próximos seis meses, segundo revela pesquisa realizada pela ACSP (Associação Comercial de São Paulo) e divulgada nesta quinta-feira (7).

De acordo com o estudo, em setembro deste ano, o percentual de pessoas que acreditam que as chances de perder o emprego são pequenas ou muito pequenas é de 41%, enquanto aqueles que dizem que as chances são um pouco ou muito grandes equivalem a 12%.

Classes e regiões 

A classe AB é a que sente mais estabilidade no emprego, com 45% das pessoas que disseram que as chances são pequenas ou muito pequena. A classe C vem em seguida, com 42% de respostas, e a classe DE, com 32% das respostas.

Nas regiões Norte e Centro-Oeste, 47% dos entrevistados se sentem seguros no emprego, a maior proporção registrada, seguida pela região Sul (43%) e Nordeste (40%). A região Sudeste é onde se concentra o menor número de pessoas que acreditam que as chances são pequenas ou muito pequenas, 39%.

Entre os entrevistados, 27% conhecem alguém que perdeu o emprego por causa das condições da economia nos últimos seis meses, sendo que essas pessoas conhecem aproximadamente quatro pessoas nestas condições.

Mulheres acreditam que desemprego vai aumentar 

Apesar da maior parte dos brasileiros não acreditar que perderá o emprego nos próximos seis meses, 33% acreditam que ele vai aumentar ou aumentar muito no período, sendo que este percentual sobe para 36% entre as mulheres, contra 30% dos homens. Os dados são do Inec (Índice Nacional de Expectativa do Consumidor).

Neste caso, a crença no aumento do desemprego é maior entre as pessoas com idade de 25 a 39 anos (37%) e entre os que estão na faixa dos 30 aos 39, 34%. Entre os que possuem nível superior, o índice é de 35%.

Por região, quem mais acredita no aumento do desemprego é o Nordeste, com 38% dos entrevistados. Nas regiões Norte/Centro-Oeste, Sul e Sudeste, os índices foram de 33% e 31% cada, respectivamente.

Por fim, as pessoas que possuem renda de até um salário mínimo são as que mais acreditam no aumento do desemprego (38%), seguidas por aqueles com renda entre um e dois mínimos (35%), de dois a três (31%) e mais de cinco (29%).

Essa notícia foi publicada no Administradores, em 08/10/10.