Mais da metade dos brasileiros gostaria de ser o próprio chefe

Data 15/01/2013

Mais da metade dos profissionais brasileiros prefere ser o próprio chefe a trabalhar para alguém, fazendo do Brasil o segundo país com maior número de respostas desse tipo em uma pesquisa com mais de 40 nações produzida pela Comissão Europeia.

De acordo com a pesquisa, 63% dos brasileiros gostariam de ter o próprio negócio ou trabalhar de forma autônoma, em comparação com 33% que têm preferência por ser empregado de alguém. O país perde apenas para a Turquia, onde uma grande maioria de 82% diz preferir trabalhar por conta própria. Em terceiro lugar está a China, onde a relação é de 56% que preferem autonomia a 32% que gostariam de ser empregados.

Mais de 40% dos brasileiros veem a liberdade de decidir quando e onde vão trabalhar como principal motivo para seguir carreira autônoma. Ainda assim, mesmo que o empreendedorismo seja popular no Brasil, profissionais que seguem carreira em empresas também são vistos com olhos favoráveis. Mais de 70% dos entrevistados têm opiniões positivas de empregados, um dos índices mais altos em países não-europeus. Quando questionados sobre a principal razão para continuar a trabalhar para alguém, o Brasil é o país onde mais pessoas (32%) escolheram previdência e plano de saúde.

O estudo, que busca medir a popularidade do empreendedorismo na Europa e comparar com outros países, indica que apenas 37% dos europeus fariam a preferência por trabalhar de forma autônoma, enquanto a maioria (58%) prefere ser empregado. Os números apresentam queda em relação a 2009, quando a diferença era mais equilibrada – 45% queriam ser o próprio chefe e 49% preferiam trabalhar para alguém. Nos Estados Unidos, a preferência por ser um empregado também aumentou no período, de 37% para 46%. Produzida há uma década, a pesquisa inclui os 27 países da União Europeia e 13 outras nações. Essa é a primeira vez que o Brasil participa.

 

*Essa notícia foi publicada no site Valor Econômico, em 14/1/2013