Networking ainda é mal realizado, mostra pesquisa

Data 22/07/2013

O bom relacionamento profissional não é o forte dos brasileiros, revela estudo com 650 executivos do Instituto de Desenvolvimento de Conteúdo para Executivos (IDCE). De acordo com o levantamento, 80% dos executivos atuantes em médias e grandes empresas reconhecem o networking como estratégico para o mercado de trabalho, mas os novos profissionais não usam a ferramenta de modo eficiente.

A maioria das pessoas, revela o estudo, acredita que networking se define como uma boa rede de contatos, ou seja, conhecer várias pessoas e ser conhecido por elas. Mas, de acordo com o diretor-executivo do IDCE, Fabrício Barbirato, para um profissional, é mais que isso. Uma boa rede de contatos é quando as pessoas conhecem o profissional, sabem o que ele faz bem profissionalmente, e, o mais importante, influenciam em seu crescimento profissional.

— Vamos imaginar uma pessoa numa praia que conheça todo mundo. Contudo, quando alguém pergunta o que esta pessoa faz profissionalmente, ninguém sabe dizer. Ela tem um bom relacionamento pessoal, mas não profissional (networking). Por outro lado, para ser bem extremista, vamos imaginar que alguém precise da indicação de um bom marceneiro. Você responde que conhece e tem o contato dele. Não lembra nem o nome, mas sabe enumerar suas qualidades profissionais.

Construir uma sólida rede de contatos profissionais e ser reconhecido pelas qualidades no ambiente de trabalho é uma cultura tradicional nos Estados Unidos e países Europa, ressalta Barbirato. Nestes lugares, existe uma abertura entre as pessoas para que elas se conheçam e se informem sobre suas capacidades. Esse processo ocorre até mesmo entre funcionários de empresas concorrentes. No Brasil, esse ainda é um cenário em desenvolvimento. Por aqui, o profissional brasileiro encontra muitas dificuldades ao longo de sua carreira devido à falta de um networking sólido.

— Ser reconhecido no mercado, inclusive por empresas que atuam no mesmo segmento, desde que mantido o código ético, é um bom exemplo de uma rede de networking verdadeiramente funcional – ressalta Barbirato.

O estudo realizado pelo IDCE também revelou que a dificuldade do profissional brasileiro em construir sua rede de networking começa na própria faculdade.

— As instituições de ensino no Brasil não possuem disciplinas de empregabilidade e construção de carreiras. O mínimo que elas deveriam fazer é preparar o aluno para o mercado de trabalho. No mundo corporativo, à medida que você cresce profissionalmente, as competências comportamentais são cada vez mais importantes que as competências técnicas, portanto, é, sim, papel da faculdade ensinar em sua grade curricular temas ligados à empregabilidade do profissional — complementa o diretor-executivo do IDCE.

Erros e acertos na construção de uma rede de relacionamentos

Erros:

1. Achar que ser conhecido é ter networking. Networking é quando as pessoas conhecem você e sabem no que você é bom profissionalmente.

2. Só usar o networking quando precisa. O mercado muda muito rápido e, por isso, é importante estabelecer contatos trimestrais ou semestrais com a sua rede profissional, para que saibam que atividade você está desempenhando naquele momento.

3. Fazer networking somente com pessoas com cargo abaixo do seu. Conhecer pessoas profissionalmente é sempre importante, mas ter networking é quando estas pessoas têm relevância na área em que você atua, seja para te indicar ou contratar.

4. Ter vergonha de fazer networking. Cada um de nós tem apenas dois ou três talentos. Por isso, não é errado falar daquilo que você é bom.

5. Não entender que a sua carreira depende de conhecimento técnico e de empregabilidade. Além de conquistar bons contatos e saber se apresentar como um bom profissional, é importante cuidar da carreira, se atualizando sempre. O mercado vai afunilando à medida em que crescemos profissionalmente.

Acertos:

1. Frequentar cursos, palestras, congressos etc. É importante frequentar ambientes em que as pessoas da sua área também fazem parte, com a mesma finalidade. É necessário apenas se apresentar em breves palavras e ter sempre um cartão de visitas.

2. Criar e manter contatos em duas vias. Da mesma forma que você precisa de contatos relevantes, também é importante ser o contato dos outros. Ajudar alguém quando for solicitado é primordial. Lembre-se que o mercado é pequeno. Além disso, programe-se para encontrar as pessoas de relevância da sua rede com certa periodicidade. Se não puder ser presencial, que seja pela web.

3. Ser conhecido em sua própria empresa. O melhor caminho para você ter uma boa rede é ser conhecido, antes de mais nada, em sua empresa, mesmo que por pessoas de setores diferentes.

4. Cada mudança de emprego ou promoção deve ser comunicada. É muito importante comunicar às pessoas cada conquista profissional, pois elas percebem que você tem proatividade e busca novos desafios.

5. Ter um plano de carreira estruturado anualmente.
 


*Essa notícia foi publicada no site O Globo, em 14/07/2013

Compartilhe:

Comentários