Novas ferramentas de contratação

Data 22/03/2011

 

Uma tendência a se observar no cenário da oferta e procura de empregos hoje, no Brasil, são os sites, blogs ou perfis em redes sociais que fazem a divulgação de vagas em áreas segmentadas e que, geralmente, não são alimentados necessariamente por profissionais da área de RH (Recursos Humanos).

Normalmente, esses sites se destinam a áreas como comunicação, publicidade e TI (Tecnologia da Informação), mas é perfeitamente possível que se consolidem outros sites para profissionais de outros segmentos do mercado. As pessoas tendem a se agrupar por identificação. Área de atuação, escolha profissional são normalmente grandes fontes de identificação. Por isso, é natural que grupos de pessoas que trabalhem em setores afins, como comunicação e tecnologia, se informem e troquem informações, experiências, e por que não vagas. É de um movimento social natural que nascem ideias. Por isso, estas áreas estão sendo as primeiras, mas o que sinto é que esta onda deve se espalhar.

Acredito também que isso seja uma tendência por conta do advento das gerações Y e Z, que tendem a aderir a tudo que remeta à conectividade, e interação. Eles diminuem fronteiras e padrões pré-estabelecidos de comunicação. Assim, a aceitação e aderência a este tipo de ferramenta no futuro tende a ser grande. Não que seja um movimento imediato, mas tende a acontecer. O networking que acontecia com a geração X no mundo mais pessoal, nas gerações Y e Z tende a estar no mundo mais virtual. Quanto mais deste público estiver fazendo recrutamento e seleção, mais abertura teremos para este tipo de ferramenta.

Isso tudo é muito positivo, afinal, na era da informação e conhecimento, quanto mais você puder divulgar a vaga para a qual está buscando um profissional, melhores as chances de encontrar alguém no perfil. Para quem busca uma colocação, quanto mais ele tiver a oportunidade de acessá-la, mais chances terá de encontrar o trabalho certo.

PERIGOS

Podemos enumerar diversas vantagens em se anunciar em sites deste gênero. Geralmente, quem entra neles, já conhece o espaço; assim, o recrutamento fica mais seletivo. O público que acessa é direcionado à área procurada, logo há mais possibilidade de se encontrar a pessoa que você procura. Por outro lado, são sites que estão se estruturando como fornecedores, então há mais risco do que sites, blogs e perfis já consolidados.

Outra desvantagem para quem trabalha em uma grande empresa ou uma consultoria de RH, que seleciona várias áreas diferentes, é que é bem mais difícil de controlar e gerenciar todas as vagas. Se você utiliza um site amplo de busca ou o site da empresa ou de uma consultoria, por exemplo, você tem mais gestão sobre suas vagas e de forma bem mais centralizada.

Para você que trabalha com recursos humanos, seguem dicas para trabalhar com estas ferramentas de recrutamento:

Pesquise a idoneidade do site anunciante com outros recrutadores e com pessoas da área para a qual está buscando.

Mensure os resultados – compare tanto em quantidade como em qualidade o material que veio para a seleção. Se for superior aos de um site amplo ou do site da empresa/ consultoria, mantenha; se for igual ou inferior, descarte a fonte de recrutamento.

Não pague nada antes de testar, ou de ter referências fidedignas de que funciona e é um site/ blog sério.

Quando falamos de processo seletivo, o bom resultado é encontrar o candidato certo e qualificado para vaga dentro do menor tempo possível. Assim sendo, se temos uma ferramenta que é mais assertiva no recrutamento, permitindo uma boa qualidade de seleção teremos um processo mais rápido, podendo ser melhor em termos de custo. Se as empresas e consultorias virem estes sites e blogs sob este prisma, o que é uma tendência, e se o tema for tratado com a ética devida, eles se consolidarão cada vez mais no mercado futuro.

Essa notícia foi publicada no Diário do Grande ABC, em 21/03/2011.