O mercado deve se adaptar aos jovens ou os jovens devem se adaptar ao mercado?

Data 13/07/2011

O mercado exige cada vez mais das pessoas. Currículo criativo, experiência em projetos acadêmicos, profissionais ou experimentais, formação renomada, conhecimento de softwares diversos e línguas estrangeiras são quesitos básicos que esperam encontrar nos profissionais da geração X, Y e Z. Mas o mais importante: querem jovens profissionais a serviço da inovação. Com tantas aptidões, é comum que a contratação desses jovens crie grandes expectativas.

A versatilidade em lidar com a enxurrada de informações e a ousadia em enfrentar problemas são as características que colaboraram muito para isso. Já é de se esperar que, com este perfil independente e auto-suficiente, a nova geração de profissionais sejam, muitas vezes, direcionados às áreas de criação, pesquisa e desenvolvimento. Estes jovens podem passar longos períodos na internet, da qual recebem e transmitem conteúdo. A expressividade e a individualidade desses líderes, bem como o fácil contato com estrangeiros, em longo prazo podem trazer soluções. No entanto, esses jovens muitas vezes são muito ansiosos e desfocados. Querem que tudo se resolva com rapidez, sem paciência, disciplina ou persistência. Não são atraídos por sólidos planos de carreira, uma vez que exigem promoções rápidas. Não se adaptam a modelos formais de cargos e salários.

O dinamismo é tanto que inovação virou sinônimo de sobrevivência. A inovação é como um conector de soluções e ideias distintas, que resolvem um problema de uma forma nova, nunca imaginada, algo que temos de incorporar no nosso trabalho. É por esse motivo que se dá a importância desses jovens no mercado de trabalho. É necessário estabelecer um ambiente propício a seus talentos e criatividade, ainda que restrito a regras da empresa. Muitos sentem necessidade de serem reconhecidos como parte de um projeto, principalmente agora que começam a assumir cargos mais altos. Esse é um dos maiores desafios das empresas que buscam encontrar iniciativas inovadoras.

Essa notícia foi publicada no RH Central, em 08/07/2011.