O que fazer no caso de avaliação negativa da chefia?

Data 06/04/2011

 

Você achou que tudo seguia normalmente e o seu desempenho estava à altura das expectativas do chefe. A surpresa vem na avaliação anual, quando recebe o feedback do chefe e descobre que ele te enxerga com mais pontos fracos do que você imaginava. Ou seja, o seu desempenho na avaliação anual foi bem aquém do que você – e, pior, do que o seu gestor – esperava. O que fazer? A orientação de especialistas é colocar em prática a famosa expressão “muita calma nessa hora”. 

“O objetivo de uma avaliação é fornecer ao funcionário a percepção que a empresa tem dele”, define a consultora em gestão e transição de carreiras Sheila de Souza Lima, sócio-fundadora da Konsili. Ela reconhece a importância da autoavaliação, mas lembra que uma carreira depende muito da reputação que o profissional tem dentro da organização. 

Segundo a especialista, uma avaliação de desempenho inclui tanto aspectos técnicos – ou seja, o quanto o profissional é bom naquilo que faz –, quanto comportamentais – que são mais subjetivos e dizem respeito a questões como relacionamentos interpessoais no ambiente organizacional. No entanto, seja qual for o conteúdo dessas avaliações, o importante é ter em mente que o objetivo do processo é ajudar o profissional a se desenvolver, e não ameaçá-lo ou causar constrangimentos. “Isso depende muito da empresa e do chefe”, ressalta Sheila. “Mas, se já existe uma definição de que tal pessoa não serve para a organização, não vejo sentido em fazer uma avaliação. Seria mais o caso de uma conversa dizendo porque ela não serve.” 

Por isso, segundo explica o professor Laerte Leite Cordeiro, consultor de carreiras e diretor da Laerte Cordeiro Consultores, por mais que tal situação faça mal ao ego e desperte insegurança, “trocar idéias com o superior sobre os termos da avaliação negativa” deve sempre ser o primeiro passo, mesmo que a avaliação se constitua em uma ameaça velada à carreira na empresa. 

O professor recomenda ainda que aceitar o parecer do gestor e tentar corrigir os “defeitos” de atitude ou de desempenho apresentados num feedback são as melhores alternativas. A busca por outro emprego só deve vir em um segundo momento, depois de esgotadas as tentativas de entendimento entre o profissional e o seu chefe. 

Cadê meu bônus?

Muitas vezes, o fraco desempenho na avaliação anual vem com um agravante: impede que o funcionário receba um bônus ou promoção. “É evidente que o desconforto é muito grande quando, chegada a hora do prêmio pelo bom trabalho, o colaborador recebe uma avaliação negativa e perde as gratificações imaginadas”, coloca Cordeiro. Além disso, destaca o consultor, a tendência é que aquele que não recebe o prêmio seja apontado como o diferente. “E nunca para melhor.” 

Daí a importância de se antecipar aos fatos, sugere Sheila. “É preciso estar sempre atento a reações [dos superiores]”, ensina. “Normalmente as pessoas dão sinal de insatisfação antes de explicitar o feedback negativo. É bom atentar para sinais não verbais ou observações feitas”. 

Bons líderes 

Adiantar-se aos problemas não tem nada a ver com bola de cristal. Segundo Sheila, basta apenas não esperar que o momento do feedback seja o único em que o funcionário e seu superior conversem sobre a relação profissional ou sobre desempenho e expectativa. 

“Tem que ter uma boa relação com o chefe, porque ele é a pessoa que vai alavancar ou complicar a sua carreira na empresa”, alerta a consultora. Ela também destaca que o feedback, tanto negativo quanto positivo, faz parte do trabalho de qualquer gestor de pessoas. “Isso deve ser visto, por ambos os lados, como uma forma de corrigir ou estimular o desenvolvimento”.

O professor Cordeiro afirma ainda que o bom superior deve sempre abordar seus subordinados com “sensibilidade e humanidade”, sabendo das implicações que uma avaliação negativa e o não recebimento dos prêmios têm para o colaborador. E deixa um recado aos gestores: “O que se espera é que o líder seja o coach de sua equipe e que procure ajudar o colaborador para que suas avaliações futuras possam ser melhores”. 

Ação e reação

Orientações sobre como reagir a uma avaliação negativa e o que fazer depois de recebê-la. 

Na frente do chefe

  1. Mantenha uma postura profissional;
  2. Procure se colocar no papel de quem o avalia;
  3. Preste atenção aos comentários e se foque no que pode ser melhorado;
  4. Dependendo do caso, assumir o erro e comprometer-se a melhorar é mais inteligente do que tentar se defender;
  5. Procure terminar a conversa de forma positiva.

Próximos passos

  1. Faça uma análise objetiva dos principais aspectos da avaliação de forma a poder focar-se nos seus pontos mais fracos;
  2. Tente determinar o que originou a avaliação negativa: falta de conhecimentos ou experiência para conseguir fazer melhor, falta de condições, desmotivação …;
  3. Se julgar necessário, reúna-se novamente com o seu chefe para ter explicações mais especificas dos pontos que lhe pareceram vagos;
  4. Estabeleça, se possível em conjunto com o seu superior direto, um plano de recuperação, definindo estratégias práticas para melhorar seu desempenho;
  5. Não espere pela próxima avaliação. Depois de colocar seu plano em prática é importante tentar obter um retorno frequente junto à chefia.

Essa notícia foi publicada no Canal RH, em 30/03/2011.