Otimismo aumenta procura por trabalho e desacelera queda do desemprego

Data 30/01/2012

 

O otimismo com a economia do país elevou a entrada de pessoas no mercado de trabalho para o maior nível para meses de abril em seis anos. De acordo com dados de pesquisa da Fundação Seade e do Dieese, a PEA (População Economicamente Ativa) cresceu em 130 mil no mês passado nas sete regiões metropolitanas pesquisadas, apenas 1.000 abaixo da criação de vagas no período.

O aumento acima da média da força de trabalho diminuiu o ritmo de redução do desemprego no país, mesmo com a forte geração de postos de trabalho. O índice ficou em 13,3% em abril, contra 13,4% em março.

"Muita gente voltou ao mercado de trabalho, refletindo o otimismo das pessoas", afirmou Alexandre Loloian, diretor da Seade. "Em abril sempre há aumento da PEA, mas esse ano foi muito grande."

De acordo com ele, porém, pela análise do histórico do mercado de trabalho no país, a tendência é que o ritmo de entrada de pessoas caia nos próximos meses, fazendo com que a taxa de desemprego volte a recuar.

"Nossa estimativa é de redução. Em maio, a taxa em São Paulo deve ficar em torno de 13% ou até abaixo disso", disse. Em abril, a taxa na região metropolitana paulista cresceu de 13,1% para 13,3%, também influenciada pela entrada acima da média de pessoas no mercado de trabalho.

Setores

Enquanto a PEA sobe em ritmo forte, a criação de vagas nos diferentes setores da economia também cresce de forma acelerada, o que vem mantendo a taxa de desemprego em estabilidade ou leve variação. "O crescimento do emprego está generalizado, espalhado por todos os setores", afirmou Sérgio Mendonça, do Dieese.

No mês passado, todos as atividades registraram criação de vagas no país: indústria (25 mil), comércio (32 mil), serviços (11 mil), construção civil (26 mil) e outros (37 mil).

Essa notícia foi publicada na Folha Online, em 26/05/10.

Comentários