Para crescer, coloque mais mulheres nos cargos de liderança

Data 14/03/2012

*Por Silvio Celestino

No mês internacional da mulher destaca-se o quanto as empresas têm de potencial para aumentar seus lucros, se desenvolvessem apropriadamente suas profissionais com conhecimentos técnicos para a carreira executiva. Uma questão fundamental para aumentar a lucratividade da empresa é que seus clientes sejam leais à marca. Não adianta o departamento de vendas trazer mais clientes, se os demais os perdem por mau atendimento. E a lealdade à marca é diretamente proporcial à lealdade dos funcionários à companhia. Afinal, o ponto mais relevante de contado da empresa com o consumidor é quando ele é atendido por um de seus funcionários. Nesse momento, se o empregado estiver aborrecido com a organização, sentir-se injustiçado, mal tratado ou sem o reconhecimento devido, provavelmente tratará mal o cliente, gerando todo tipo de transtorno. O resultado é a perda de um cliente conquistado a duras penas.

Chegamos, portanto, à causa dessa questão: a experiência que é proporcionada aos funcionários. Ela é provocada por seus líderes. Quando este é mau preparado, dá poucos feedbacks, não se preocupa com as pessoas e como conseguir resultados por meio delas, gera um ambiente propício a comportamentos contrários aos propósitos da empresa. Principalmente, gera funcionários resignados e cínicos, que focam mais em seus salários e na manutenção de seus empregos do que no bom atendimento aos clientes, sejam eles externos ou internos.

Portanto, sem líderes preparados a empresa não aumenta sua lucratividade e não cresce. Do lado dos funcionários, se eles não se transformam em líderes, ao longo do tempo se desmotivam na carreira, principalmente por questões financeiras. Além disso, se a empresa traz líderes de fora, tira a energia de quem já está na companhia e se via em condições de aprimorar-se para os cargos de gestão. Se lhe fosse dada a oportunidade para isso, é claro. Afinal, se a empresa promove quem não está preparado, perde um técnico nota 10, para ganhar um gerente nota 1.

Entretanto, as empresas veem os técnicos como profissionais difíceis de se interessar por pessoas e negócios. Em muitos momentos, os técnicos desejam aprender, mas não respeitam consultores sem origem em carreira técnica para desenvolvê-los. Eles querem ouvir alguém que explique de forma lógica o que fazer para desenvolver a carreira. Por isso que uma pessoa que nunca foi técnica gasta muita energia e recursos para convencer um técnico a ser líder.

A solução é treinar novos líderes por meio de metodologias feitas especificamente para pessoas com cabeça de técnico. Em primeiro lugar é fundamental inspirá-las para a carreira de liderança. Mostrar-lhes os ganhos que existem, não apenas para a empresa, mas para elas, ao percorrer esse caminho. Somente após essa inspiração oferecer de forma lógica o conhecimento sobre liderança, até mesmo falar de forma lógica sobre assuntos ilógicos como: emoções, política dentro da empresa e relacionamentos interpessoais. Por último, e talvez um dos mais difíceis tópicos, transformar sua comunicação, atitude e imagem nas de um líder. É impressionante a quantidade de gerentes que pensam que ser líder significa se o técnico dos técnicos. Com isso, dirigem-se ao presidente da empresa, e aos clientes, com uma linguagem rebuscada, cheia de expressões técnicas e incompreensíveis.

E o que as mulheres têm a ver com isso? Na minha experiência de mais de dez anos como coach, observo que as mulheres são mais humildes para aprender e, ao mesmo tempo, mais ambiciosas e persistentes para evoluir em suas carreiras. Portanto, uma empresa faz um bom negócio ao investir em suas técnicas para incentivá-las pela carreira executiva. Elas são capazes de, uma vez desenvolvidas apropriadamente, criar um ambiente onde o clima organizacional é mais positivo, todos os detalhes das operações são levados em conta e os resultados são obtidos por meio de pessoas cuidadas e motivadas. Isso cria a lealdade dos clientes e permite à empresa crescer com segurança. Uma excelente razão para celebrar, não apenas o mês, mas o sucesso das mulheres em suas carreiras. E cumprimentar às empresas que crescem ao saber ouvi-las, valorizá-las e reconhecê-las. Vamos em frente!


Silvio Celestino é Coach de Executivos e foi VP do Chapter São Paulo da Federação Internacional de Coaches. Consultor Organizacional e Senior Partner da Alliance Coaching.