Pesquisa mostra comportamento de chefes de diferentes gerações

Data 16/09/2013

Chefes mais velhos são mais produtivos, mas menos flexíveis e inclusivos. É o que mostra uma pesquisa da consultoria Ernst & Young, que identifica as mudanças da chegada das gerações X e Y a cargos de gestões nos últimos cinco, provocando um mix de gerações.

A pesquisa levou em consideração mais de 1.200 profissionais norte-americanos divididos em gestores e não-gestores de três gerações: geração Y (segundo a consultoria, quem tem idade entre 18 e 32 anos), geração X (33 a 48 anos) e os "baby boomers" (entre 49 e 67 anos).

A pesquisa indicou que entre 2008 e 2013, 87% dos profissionais da geração Y assumiram um cargo de gestão, ante 38% da geração X e 19% dos "baby boomers".

Considerando o cenário atual, a maioria dos entrevistados (80%) acredita que a geração X é a mais preparada para gerir de forma eficaz, seguido pelos boomers (76%) e pela geração Y (27%). No entanto, pensando no cenário de 2020, o número de apostadores da geração Y quase dobra, passando para 51%.

"Embora seja encorajador que a geração Y aumente significativamente suas habilidades gerenciais em 2020, a responsabilidade recai sobre as empresas para também dar-lhes oportunidades e treinamento para corresponder a esse otimismo", diz Karyn Twaronite, sócio da Ernst & Young LLP.
 

PONTOS FORTES E FRACOS

  •  Geração X

    Comparando as três gerações em 11 atributos, os membros da geração X foram citados como melhores em sete deles, incluindo a geração de receita (58%), flexibilidade (49%), resolução de problemas (57%) e colaboração (53%). Já seus gestores se destacaram pela capacidade de gerenciar equipes globais (70%).
     

  • Geração Y

    Os membros da geração Y se destacam pelo entusiasmo (68%) e pelas habilidades com tecnologia (78%) e mídias sociais (70%). Eles superam os boomers na colaboração (27% ante 20%), adaptação (41% ante 10%) e empreendedorismo (29% ante 15%). Os profissionais Y em cargos de gestão superam os da geração X na liderança inclusiva, por serem capazes de construir equipes sem discriminação por raça, sexo ou orientação sexual.
     

  • "Baby boomers"

    Os membros da geração dos baby boomers pontuaram alto por serem produtivos (69%), muito trabalhadores (73%, o mais alto), trabalhar bem em equipe (56%), e serem essenciais para o desenvolvimento dos outros (55 %). Os gestores receberam as notas mais baixas nos quesitos diversidade (12%), flexibilidade (21%) e liderança inclusiva (16%). Em contrapartida, superaram a geração X como os melhores em "gerir em tempos difíceis" (48% ante 44%).


GERENCIANDO O MIX DE GERAÇÕES

Três quartos (75%) dos entrevistados em cargos de gestão concordam que a gestão de equipes de várias gerações é desafiadora. Expectativas diferentes de trabalho (77%) e desconforto com funcionários mais jovens gerindo trabalhadores mais velhos (72%) foram os principais desafios identificados em todas as gerações.

No entanto, mais de dois terços (69%) dos entrevistados disseram que sua organização tem feito algum esforço para aliviar os desafios. Esses esforços incluem acomodações no estilo de trabalho e comunicações sob medida.

COMO RETER E ENGAJAR CADA GERAÇÃO

Segundo os entrevistados, o dinheiro ainda é o principal modo de reter e motivar funcionários, e ficou em primeiro lugar por parte de quase metade deles (49%). Benefícios como saúde e aposentadoria foram os escolhidos por 22%, e foram mais citados pelos membros da geração boomer — 29%. Horários flexíveis são mais importantes para 18% dos entrevistados. Segundo a pesquisa, os membros da geração Y são os mais propensos a se afastar do trabalho na ausência de flexibilidade no dia a dia –38%.

Além disso, enquanto 62% dos entrevistados trabalham atualmente no horário de expediente normal, apenas 50% esperam fazer o mesmo dentro de cinco a dez anos. Na geração Y, apenas 47% têm essa expectativa. A geração Y também está mais propensa a preferir promoções (13%) do que a geração X (5%) e os boomers (4%).


*Essa notícia foi publicada no site Folha de São Paulo, em 12/09/2013

Compartilhe:

Comentários