Por falta de qualidade de vida, funcionários planejam demissão

Data 23/04/2013

Gerenciar o bem estar das pessoas dentro e fora da empresa virou uma questão urgente para as organizações de todo o mundo. Uma pesquisa global da consultoria Hay mostra que um em cada quatro funcionários (27%) não percebe que sua companhia se esforça para garantir um equilíbrio entre sua vida pessoal e profissional. Logo, pretende abandonar seu atual posto de trabalho nos próximos dois anos.

A preocupação com a qualidade de vida por parte dos colaboradores tem crescido em todo o mundo. Mesmo assim, 39% dos entrevistados afirmam que não conseguem conciliar o tempo dedicado ao trabalho e às questões pessoais, como família e lazer. No Brasil, onde foram entrevistadas 620.000 pessoas, esse é um dilema para 36%.

O problema pode ser explicado, em parte, pela sobrecarga de trabalho imposta a muitos funcionários, já que 52% relataram que não existem pessoas suficientes em sua área para realizar as tarefas necessárias. Entre os brasileiros, 51% fazem esse tipo de queixa.

“A maioria das organizações no mundo continua a pedir para os seus funcionários realizarem mais por menos”, declara Elton Moraes, consultor do Hay Group. Para o executivo, opções como home office e horários flexíveis não serão suficientes para promover mais qualidade de vida para os funcionários. “Dado que o tempo de trabalho é finito e as demandas não são suscetíveis a redução em um curto espaço de tempo, devem ser pensadas alternativas de longo prazo que ajudem os funcionários a trabalharem de forma mais produtiva e a lidar melhor com situações de extremo estresse”, diz. E não só fora, mas especialmente no próprio ambiente de trabalho.

O mesmo estudo mostra que muitas empresas já avançaram nesse assunto e ampliaram sua capacidade de atração e retenção. Nas organizações que possuem políticas de bem estar e qualidade de vida, 58% das pessoas acreditam que são bem remuneradas pelo trabalho que desempenham. Nas demais empresas – que não se preocupam com essa questão – apenas 36% dos respondentes pensam dessa forma.

Quando questionados sobre a capacidade da companhia de atrair talentos, 71% dos funcionários das empresas líderes em equilíbrio de vida deram as respostas "boa" ou "muito boa". Nas demais organizações, 45% dos funcionários responderam dessa forma.

“Para sustentar o desempenho por mais tempo e não perder seus principais talentos, as organizações precisam desenvolver soluções que suportem um equilíbrio entre vida pessoal e profissional a longo prazo”, conclui Elton Moraes.


*Essa notícia foi publicada no site Você RH, em 17/04/2013

Compartilhe:

Comentários