Por que, em sua carreira, você deve fazer o que gosta?

Data 22/08/2012

* Por Silvio Celestino
 

O sucesso profissional depende da capacidade do indivíduo de equilibrar dois fatores: realização pessoal e renda. Quando isso não ocorre, o resultado é um indivíduo que é muito feliz no que faz, mas com sérias restrições financeiras. Ou, alguém que possui enorme capacidade de adquirir bens, mas sente-se doente cada vez que levanta para ir trabalhar.

Portanto, ao descobrir qual profissão preenche seu desejo de relização, a pessoa deve também ter consciência de qual é o padrão de vida que busca para si. Caso a profissão que escolheu não a permita chegar a ele, deve considerar aprender a investir, ou mudar de carreira. Na verdade, aprender a investir é uma habilidade que deve desenvolver sempre. Já a mudança de carreira é uma atitude ousada que, embora possível, requer muito estofo e capacidade de lidar com frustrações. Elas irão ocorrer porque há um enorme conjunto de imprevistos a enfrentar.

Particularmente, penso que a mudança é um pensamento muito válido. Quando observamos os profissionais de Tecnologia da Informação, por exemplo, é comum terem um rendimento alto em início de carreira, mas, após os 30 anos, há um certa estagnação e manter-se evoluindo significa um grau de atualização intenso. Em muitos casos, jogar fora o que aprendeu para substituir por uma nova tecnologia, linguagem, ou mesmo uma forma totalmente nova de pensar a computação. Tenho um grande amigo que afirma: “trabalhar em TI é virar estagiário a cada 3 meses.”

Por outro lado, carreiras como medicina e direito, começam com pouca renda. Mas, paulatinamente, o profissional vai conquistando seu espaço e atinge seu maior rendimento após os 40 anos. Portanto, alguém que decide trilhar um desses caminhos, deve ter uma enorme persistência, pois, os maiores resultados ocorrem no longo prazo. Nesse caso, a mudança no meio da carreira é menos recomendável, embora possível.

Não importa se você tem maiores chances de alta renda no começo, ou na maturidade de sua carreira: ganhar dinheiro exige esforço. Dificilmente você encontrará alguém que afirme que ganhou muito dinheiro trabalhando pouco e que foi fácil. A maioria das pessoas que o faz trabalha muitas horas por dia. Em geral possui uma rotina intensa que exige, além do trabalho, atualização constante e muito treino.

Portanto, já que para atingir o padrão de vida que deseja será necessário muito empenho e persistência, é melhor dedicar-se a algo que goste muito. Pois, ao escolher uma carreira que lhe é inspiradora, o indivíduo terá muita energia para dedicar-se à ela. E essa energia é fundamental para manter-se sadio ao longo dessa construção de seu padrão de vida. Quando a pessoa não gosta do que faz, além de dedicar-se pouco, provavelmente terá como resultado uma renda inferior ao padrão que almeja. É fácil observar as pessoas que fazem o que não gostam: tratam mal aos clientes, faltam, estão sempre de cara amarrada, são estressadas e estressantes, enfim, tornam pior a vida dos clientes, pares, subordinados e chefes.

Penso que o mundo está cansado de ser atendido por pessoas que não se sentem felizes com o que fazem. Portanto, ao escolher uma carreira, veja todos os pontos racionais da escolha. Mas, lembre-se que o ser humano não é só razão, ele precisa de uma energia maior chamada inspiração. E o coração é mais habilitado a encontrá-la do que o cérebro. Vamos em frente!

* Silvio Celestino é Coach de Executivos e foi VP do Chapter São Paulo da Federação Internacional de Coaches. Consultor Organizacional e Senior Partner da Alliance Coaching.

Comentários