Quando o livro faz parte da vida e rotina dos funcionários

Data 14/12/2011

Em um país onde a leitura é um hábito pouco praticado, principalmente entre a população adulta, empresas do setor privado começam a tomar para si a responsabilidade de estimular a leitura entre seus funcionários para elevar o valor intelectual do capital humano e prover um benefício e incentivo aos colaboradores.

Segundo um levantamento o Instituto Pró-Livro referente ao ano de 2007, na ocasião 48% dos adultos brasileiros de 30 a 69 anos se autodeclaravam “não leitores”.

Entre os principais motivos dados pelos entrevistados estão a falta de tempo, o desinteresse, falta de dinheiro e de bibliotecas foram as principais alegações para a ausência do hábito, revelando a necessidade de medidas sociais para impulsionar o desejo e o gosto pela leitura.

Sensíveis a essa necessidade, algumas empresas já têm desenvolvido programas que facilitam o acesso aos livros, oferecem aos colaboradores a possibilidade da troca de conhecimentos e do desenvolvimento pessoal e profissional através do hábito da leitura.

Fonte de motivação

No grupo Cometa, por exemplo, os livros entraram no dia a dia dos funcionários aos poucos. O presidente Francis Maris Cruz, começou a comprar exemplares de alguns títulos para compor as prateleiras de cada unidade da empresa.

Mas o que começou despretensiosamente, se tornou há seis anos um programa estruturado, batizado de Cometa Leitura, com 15 bibliotecas (uma em cada loja do grupo), cerca de 300 livros cada, voltados para temas profissionais como liderança, gestão, relação interpessoal e autoajuda.

A cada mês, os funcionários devem ler ao menos um livro e entregar um resumo do que foi lido ao departamento de RH. Em um evento mensal, alguns leitores sorteados contam sobre o enredo e tema do livro e debatem com colegas possibilidades de aplicar os conhecimentos adquiridos no dia-a-dia da empresa.

“O programa tem ajudado funcionários tímidos a serem mais participativos nas reuniões e melhorou, inclusive, seu relacionamento com colegas, amigos e família”, afirma Cristinei Rodrigues Melo, diretor administrativo do Grupo Cometa.

A participação é voluntária, mas já conta com a participação de 90% dos dois mil colaboradores do grupo. Como incentivo, a leitura de 2400 páginas ao final do ano se tornou uma das metas para que o funcionário possa receber o 14° e até o 15° salário.

Caráter social e apoio público

Desde o ano passado empresas do ABC paulista têm disponibilizado aos funcionários espaços de leitura e empréstimos de livros dentro das fábricas. O projeto chamado Leitura nas Fábricas faz parte do programa Mais Cultura do Governo Federal e tem o apoio do Ministério da Cultura, prefeituras de Diadema e o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

Ao todo, a cidade possui oito pontos de leitura instalados e inaugurará mais sete em 2012. Além disso, o projeto já conta com apoios para se estender às empresas da cidade de São Bernardo do Campo e posteriormente para todo o Brasil.

Cada ponto conta com um agente de leitura que, além de cuidar do local, têm a missão de incentivar o empréstimo dos livros e a utilização do espaço para leitura nos horários de descanso e refeição.

“O processo de formação de um leitor é muito difícil e deve ser construído aos poucos, até a leitura se tornar um hábito”, explica Lucineide Guimarães, coordenadora do programa em Diadema.

“Estratégias como bilhetinhos nos murais, cartazes e até mesmo a instalação em pontos de maior movimento, são importantes para lembrar ao trabalhador que os livros estão à disposição dele”.

O empresário Nelson Miyazawa é presidente da Legas Metal, uma das primeiras empresas a aderir ao programa e além de novos livros, investe na assinatura de jornais e revistas para o espaço.

“Muitos funcionários começam a frequentar a biblioteca para levar livros para seus filhos e acabam encontrando novamente o interesse pela leitura que haviam perdido há muito tempo ou que nunca tiveram”, diz o empresário.

Essa notícia foi publicada no Portal HSM, em 12/12/2011.