Quando os livros invadem as organizações

Data 01/02/2012

LG: Como funciona o programa “Cometa Leitura”?

Maria Estela: Cada concessionária tem um acervo, onde os livros ficam disponíveis para empréstimo. Cada colaborador deve fazer a leitura de, no mínimo, um livro a cada mês e ao final dos doze meses deverá ter lido uma quantidade mínima de 2.400 páginas. Para cada livro lido, o colaborador deverá fazer um resumo com seu entendimento e aprendizado, o resumo não pode ser copiado da internet ou das capas dos livros. Os resumos devem ser entregues até o dia 30 de cada mês juntamente com o livro. São consideradas válidas apenas as leituras dos livros que constam no acervo. A leitura dos líderes (gerentes, encarregados de setor e supervisores) é direcionada e, normalmente, os títulos são sugeridos pelo diretor presidente.

Para compartilhar o conhecimento adquirido, reforçar o aprendizado, incentivar a participação no projeto e desenvolver a habilidade de comunicar e de expressar ideias, realizamos mensalmente um encontro chamado de Círculo da Leitura ou Círculo do Livro, onde um determinado número de pessoas é sorteado (cerca de 10) para fazer a apresentação do seu resumo ou comentários sobre o livro lido. Das pessoas que se apresentaram, é escolhida aquela que teve melhor participação para receber um brinde. Após as apresentações, é servido um almoço, lanche, churrasco etc.

A pessoa que leu o maior número de páginas durante o mês também é premiada. Os prêmios variam entre kit churrasco, kit caneta, chaveiro, lapiseira, porta clipes e lápis, canecas personalizadas, squeezes, kit caneta com pen-drive, kit petisqueira, kit pizza etc.

A participação em campanhas de premiações e bonificações também está atrelada ao projeto. Para ter direito de receber os bônus ou premiações oferecidas, os colaboradores precisam estar com a leitura em dia. Ou seja, ler um livro a cada mês e atingir o total de 2.400 páginas no ano.

LG: Por que ele foi criado?

Maria Estela: Nosso diretor presidente incentiva a busca pelo desenvolvimento e aprendizado. Em nossa empresa temos a filosofia de que é possível melhorar sempre. Temos outros projetos que incentivam aprendizado e desenvolvimento como o Cometa Educação, que promove a alfabetização de jovens e adultos carentes da comunidade. Assim como o Cometa Redação que premia alunos das escolas públicas que participam de um concurso de redação. Temos ainda o Cine Cometa que recebe nos auditórios de nossas concessionárias crianças, jovens e adultos da comunidade para assistir filmes que promovam a diversão e conhecimento. E o Cometa Inclusão digital que capacita pessoas carentes da comunidade a usarem a tecnologia. Com o Cometa Leitura acreditamos que podemos nos tornar melhores profissionais e seres humanos melhores.

LG: A ideia de incentivar a participação ao programa através de uma bonificação gerou um maior engajamento por parte dos funcionários?
 
Maria Estela: Sem dúvida. No início, encontramos muitas resistências, já que, de maneira geral, os brasileiros não têm o hábito de ler. Não é uma prática incentivada na grande maioria dos lares brasileiros, o que se agrava com a internet. E a bonificação premia e reconhece o esforço daqueles que entendem a importância do projeto para suas vidas.

LG: Quantas pessoas o programa já atendeu até hoje? Atualmente, qual a porcentagem de colaboradores que participam do “Cometa Leitura”?

Maria Estela: O projeto teve início em 2006 e desde então já foram feitas 30.969 leituras. Atualmente temos 76% dos colaboradores como leitores assíduos, o que significa dizer que, no último ano, leram um ou mais de um livro a cada mês. Esse percentual aumenta bastante se considerarmos os colaboradores que deixaram de ler em algum mês durante 2011.

LG: Quais os resultados que podem ser apontados como consequência do “Cometa Leitura”?

Maria Estela: Melhoria na integração/interação dos colaboradores nas concessionárias e, consequentemente, no relacionamento interpessoal e no trabalho em equipe; melhorias na comunicação escrita; desenvolvimento das competências como criatividade, fluência verbal e comunicação; organização e planejamento. Temos vários relatos de colaboradores que mudaram comportamentos, atitudes e hábitos depois que passaram a ler. E inclusive incentivam familiares e amigos a fazerem o mesmo.

LG: Além dos resultados já apontados, em sua opinião, por que é importante incentivar a leitura em uma empresa? O que isso acrescenta para o colaborador?

Maria Estela: O conhecimento é recurso intangível e que uma vez adquirido pode mudar a trajetória de uma vida. Quem tem conhecimento tem poder.  Aonde quer que esteja a pessoa levará consigo esse tesouro. O conhecimento aplicável é ainda mais valioso se compartilhado e pode trazer recompensas e gratificações. A história nos mostrou isso ao longo dos séculos.

LG: Quais conselhos você pode dar para um departamento de RH que deseja introduzir um programa de incentivo à leitura na empresa em que trabalha?

Maria Estela: Primeiramente, precisa ser alguém que goste muito de ler. Formar uma nova cultura e desenvolver novos hábitos requer muita persistência, orientações e acompanhamento. Além de disponibilizar bons títulos, reconhecer méritos e esforços.
 

Maria Estela Hreciuk é formada em Psicologia pela Universidade de Cuiabá. Especialista em Gestão de Pessoas (FAPAN – Faculdade do Pantanal/2010). Experiência de onze anos como psicóloga organizacional. Responsável pela implantação do Setor de Recursos Humanos do Grupo Cometa, projeto iniciado em Maio/2005.