Quem ainda duvida que o RH seja estratégico?

Data 04/05/2011

Estratégico. Essa talvez seja a palavra que está sempre em evidência durante as conversar que ocorrem entre os profissionais de Recursos Humanos. Isso não acontece por acaso, afinal hoje as empresas competitivas consideram a área e RH um parceiro do negócio, pois é através dela que se chega aos profissionais e se identifica a forma como atrair e reter os talentos que façam a diferença em um mercado altamente competitivo.

Uma organização que está atenta à importância do RH é a Peninsula Fertilizantes, que para colocar seu planejamento estratégico focado para os próximos cinco anos, convidou a área para acompanhar e dar suporte a todo o processo. A expectativa da companhia é dobrar o volume de produção, a partir da implantação de novas unidades. Atualmente, a empresa possui três unidades e conta com cerca de 350 colaboradores. Tem sua matriz instalada na cidade de Curitiba/PR e uma capacidade de produção de 15 toneladas/hora.

Para dar o impulso necessário à implantação do planejamento estratégico da empresa, Maira Gequelin – gerente de RH, afirma que outros setores da organização foram convidados para vencerem esse desafio: tecnologia da informação, controladoria, financeiro, comercial, administrativo, fiscal e contábil. Para efetivar sua contribuição, a área de Recursos Humanos focou inicialmente suas ações para que os líderes trabalhassem como agentes facilitadores do processo.

Nesse sentido várias ações foram adotadas, mas sempre se levando em consideração a cultura local de cada unidade produtiva. Contudo, as políticas macros da companhia foram padronizadas. "Nesse contexto, trabalhamos ações em todas as unidades da organização. Promovemos o fortalecimento dos setores de trabalho, com a reunião estratégica envolvendo todas as lideranças da empresa. Realizamos o mapeamento de todas as áreas da empresa, com revisão em processos internos", salienta Maira Gequelin, ao acrescentar que a área desenhou o plano de cargos e salários, bem como a realização de treinamentos com fogo nos líderes.

Ao ser questionada sobre as contribuições efetivas que o RH tem dado ao planejamento estratégico da Peninsula Fertilizantes, Maira Gequelin diz que a área estimulou e tem realizado atividades contínuas para o desenvolvimento das pessoas, promovendo principalmente a formação de equipes de alta performance. Como em qualquer processo de mudança, é imprescindível também ficar atento para o lado comportamental dos profissionais já que cada pessoa age de acordo com seus paradigmas e bagagens de conhecimento adquiridas com suas experiências.

Para a empresa, dobrar o volume de produção significa crescimento que façam os seus profissionais acreditarem que fazem parte do negócio. E com o objetivo de formar equipes coesas, a área de RH investiu na formação de novas lideranças e sinalizou a redução de competições entre os setores. Lógico que os desafios estimulam o espírito de superar limites, mas os colaboradores atuam com uma grande equipe, onde cada talento contribui com a sua atividade.

Maira Gequelin pontua que a receptividade dos colaboradores tem sido interessante e confessa que está acima do programado. Para se ter uma ideia, em uma avaliação interna de pontuação a área de RH recebeu nota nove – um sinal de que as pessoas estão, de fato, compreendendo o novo formato de trabalho instituído pela companhia.

Preparo dos líderes – Como as lideranças passaram a ser agentes facilitadores do processo, a área de Recursos Humanos realizou uma convenção que envolveu a diretoria, a presidência e os acionistas com a finalidade de que todos compreendessem e tirasse dúvidas sobre o planejamento estratégico e o que acontecerá com a empresa nos próximos cinco anos.

Na sequência, foram realizadas atividades diferenciadas como o ACAL (Atividades Corporativas ao Ar Livre) com uma consultoria externa, para dar ainda mais suporte à integração das lideranças. Nesse treinamento, focaram-se aspectos relevantes para o momento vivenciado pela Peninsula Fertilizantes como, por exemplo:

  • Preparar as pessoas para o processo de mudança, diminuindo a resistência à quebra de paradigmas.
  • Dinamização da companhia.
  • Estímulo à iniciativa.
  • Desenvolvimento e capacidade para liderar pessoas em situações diversas.
  • Estímulo à união e, consequentemente, ao espírito de equipe.
  • Capacitação empresarial.
  • Melhoria da comunicação.
  • Superação de crises, entre outros.

RH sempre estratégico – Para Maira Gequelin, o RH pode e deve fazer o suporte para todas as ações de uma organização. "Uma empresa é movida através da ação das pessoas, caso contrário o planejamento torna-se apenas um papel-projeto. E nós do RH somos os propulsores desta ação, que é não é fácil, é trabalhosa, tem um custo financeiro e operacional, mas que trás resultados", assinala.

Por fim, ela reforça que quando as pessoas se sentem parte da empresa e são convidadas a pensarem, buscam e trazem soluções para o negócio. A gerente de RH cita que existe um novo movimento empresarial que está além de salário. "Essa mobilização está justamente em transformar e agregar pessoas a fazerem parte do processo macro da empresa. Hoje vemos as pessoas não só buscam o fator financeiro, mas sim oportunidades e desafios. O profissional de Recursos Humanos é responsável por alinhar as expectativas pessoais com as da empresa, ou seja, formar uma balança de equilíbrio organizacional", conclui.

Essa notícia foi publicada no RH.com.br, em abril de 2011.