Reiventando a liderança

Data 27/04/2011

 

* Por Arthur Diniz

Por que será que a liderança precisa ser reinventada? Foi pensando nisso que me inscrevi para um curso, ministrado por renomados pesquisadores da área na Kellogg School of Management, nos Estados Unidos. O curso foi excelente e encontrei a resposta de forma clara e límpida: a liderança precisa ser reinventada porque o mundo mudou. A sociedade mudou e hoje temos um mundo diferente, com diferentes gerações convivendo nas empresas. Então, o que fazer nesse novo mundo?

O mundo mudou e, com isso, as características dos líderes de sucesso nesse se transformaram. Com uma nova geração chegando às empresas, os líderes têm que adotar diferentes posturas e comportamentos para conseguir o ativo mais importante para as organizações modernas: o compromisso interno dos seus funcionários. As pessoas não trabalharão mais por salários e sim por causas que valham à pena. O desafio dos líderes passa a ser como traduzir o trabalho de cada um da sua equipe em uma causa ou propósito importante.

Para que os novos líderes possam pensar em como fazer isso, é preciso primeiro entender e acreditar em algumas premissas básicas:

Premissa 1 – Todos nós temos as mesmas motivações básicas que constituem o “mecanismo” da vida: a necessidade de realização. 

Todo líder deve saber, antes de qualquer coisa, o que cada um na sua equipe precisa atingir para sentir-se realizado.

Premissa 2 – As pessoas reivindicam por satisfação pessoal, que elas carregam para seus locais de trabalho. Assim, líderes eficazes reconhecem as necessidades de conciliar as aspirações mais profundas das pessoas com o requerimento dos negócios e da empresa.

O segundo desafio do líder do futuro está em ajustar as necessidades pessoais às necessidades da empresa, de forma a casar as duas.

Premissa 3 – Líderes eficazes são bons em:

  • Desenvolver tarefas de trabalho ao redor das aspirações pessoais de cada um
  • Entender e gerenciar emoções como processo de comunicação chave

Esse terceiro passo está em entender e gerenciar as emoções dos componentes da sua equipe.

Como fazer isso? Listei abaixo algumas práticas simples, mas fundamentais para que você possa liderar nesse novo mundo e para que possa atingir resultados extraordinários:

  • Forneça um senso de propósito, de missão para sua equipe;
  • Construa junto com sua equipe visão e estratégia;
  • Amarre o trabalho ao projeto de vida dos indivíduos da sua equipe;
  • Preencha aspirações mais profundas da vida;
  • Delegue e compartilhe poder e responsabilidades;
  • Crie estímulo e competição;
  • Eleve as expectativas de todos.

Parece simples, mas não é nada fácil. O novo líder terá que se reinventar para liderar pessoas diferentes. Quem é então o líder do futuro? Como desenvolver novos líderes dentro dessa nova realidade?

Acredito que o líder do futuro tem no mínimo as oito características abaixo:

1. Conhece a si mesmo: sabe quais são os seus pontos fortes, fracos, as oportunidades e ameaças. Sabe que pode controlar suas emoções e, com isso, gerenciar sua própria motivação e a dos seus seguidores.

2. Sabe sua missão de vida e tem uma visão de futuro: o líder moderno tem certeza de seu propósito de vida, de sua missão e dos efeitos que sua atuação tem na vida de todos à sua volta. Sabe que foi enviado com uma missão e que vai cumpri-la.

3. Implementa sua visão de futuro sem medo: ele não tem medo de ser rejeitado porque tem consciência de sua missão, valores e capacidade de implementação. Não tem medo do fracasso porque sabe transformá-lo em feedback, fundamental para seus próximos passos.

4. Conhece seus valores e os vivencia: reconhece seus erros e pede desculpas. Assume a responsabilidade pelos erros de sua equipe e repassa os créditos do sucesso a seus seguidores.

5. É criativo: ele é criativo porque exerce papéis diversos, se comporta de maneira diferente de acordo com as situações que se apresentam e principalmente com pessoas diferentes. Ele conhece o perfil comportamental dos seus liderados e se adéqua a eles.

6. É um coach: significa liderar através de perguntas e não de respostas; se colocar em condição de igualdade com seus liderados; pressupor que todos têm dentro de si um potencial ilimitado; conhecer e respeitar a missão, valores e objetivos de cada um dos seus seguidores.

7. Tem uma vida equilibrada: o novo líder tem uma vida equilibrada. Ele sabe que liderança não é um conceito que se aplica somente ao trabalho. Ele é um líder em sua família, um líder em sua comunidade, um líder espiritual e um líder da sua saúde. 

8. Tem integridade: o mundo tem acompanhado a queda de grandes empresas e grandes líderes em função de condutas duvidosas. O líder de sempre não se deixa levar por tentações. Integridade não tem meio termo. 

Assim, o novo líder é bem diferente do líder do passado, que não pensava muito em missão de vida, autoconhecimento, emoções e valores.

Se você ainda não havia refletido sobre isso, comece já a se reinventar. Em breve, isso não será mais uma opção, será uma obrigação para todos os líderes.

Arthur Diniz é fundador e principal executivo da Crescimentum. Autor do livro "Líder do Futuro – a transformação em líder coach". Possui MBA pela Columbia Business School em Nova York e certificado em "Liderança em equipes de Alta Performance" pelo Center for Creative Leadership. Foi alto executivo de empresas como Deutsche Bank e Santander. É professor de empreendedorismo e liderança nos cursos de pós-graduação do INSPER de São Paulo.