Relacionamento interpessoal: os desafios para a gestão de pessoas

Data 29/03/2016

*Por Adilson Souza

Relacionamento interpessoal: os desafios para a gestão de pessoas

Gestão de pessoas continua sendo um dos temas mais atuais e instigantes, visto que os executivos necessitam cada vez mais entregar resultados. Ao longo de mais de duas décadas, venho observando e estudando as ações de líderes e alguns aspectos vêm chamando minha atenção.

As novas gerações exigem uma nova postura dos líderes e as anteriores também, em especial no que diz respeito aos relacionamentos. Portanto, cada vez mais será necessário lapidar nossa capacidade de relacionar bem com o time. Ter o interesse pelo outro é o primeiro passo, e é importante que seja genuíno. Enquanto líder ou colega de trabalho o que verdadeiramente você sabe sobre o outro? Você sabe, por exemplo, o lazer predileto, os brinquedos e brincadeiras de infância, os desafios e superação que passou em sua trajetória de vida, as inquietações, os medos, esporte preferido, o que costuma fazer nas horas vagas, os pontos fortes, os sonhos, quais áreas da vida se sente mais realizado e quais pretende promover melhorias, dentre elas saúde, família, lazer, amigos, carreira, finanças, espiritualidade, entre outras. 

Se perguntar tudo isso, as pessoas esquecerão o trabalho, certo? Errado. Trata-se de um processo de construção realizado ao longo do tempo, e como tempo é o bem e a moeda mais preciosa, determine um momento para isso, a exemplo dos cinco minutos no café, no almoço, aliás, esses tempos são especiais e úteis. Além de melhorarem a digestão, ajudam a recarregar as energias para as próximas jornadas do trabalho.

Há três valores comuns para a construção de bons relacionamentos, um deles diz respeito à confiança, e isso requer sinceridade, clareza e alinhamento de expectativas e objetivos. Trata-se de uma prática diária para sentirmos seguros com aqueles que estão conosco. Você só convida alguém que você confia para ir a sua casa.

O segundo valor é o respeito, e isso está relacionado àquilo que você acumula em sua trajetória de vida e carreira. As pessoas não precisam concordar com o que você expõe ou compartilha, assim como você também não precisa. No entanto, há uma relação absoluta, só conseguimos ser respeitados se respeitamos, simples assim. Na prática, se faz necessário dar atenção ao outro, permitindo ouvi-lo e considerando-o.

O terceiro valor é a justiça, trata-se da capacidade de estabelecer critérios claros, ser correto, compreender o que é de direito do outro, cumprir o que foi acordado entre as partes. Requer transparência, honestidade e coragem. Há sempre uma pergunta que fazemos aos executivos nos processos de coaching em situações de impasses ou decisão: é justo (para e com as partes envolvidas)? Se a resposta for duvidosa, existe uma grande chance de não termos uma boa decisão e, consequentemente, uma piora do quadro. 

Criar um ambiente de confiança, respeito e justiça é responsabilidade de todo e qualquer profissional que queira valorizar e projetar sua marca pessoal para o nível de excelência.

Adilson Souza tem doutorado em liderança, é palestrante, coach e professor da disciplina de Gestão Pessoas e Relacionamento Interpessoal no MBA Executivo em Liderança e Gestão Empresarial do Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG).

Artigos relacionados: 

O autoconhecimento na gestão com pessoas

Por que a empatia é uma ferramenta poderosa de comunicação?

Comentários