Rio+20 reúne especialistas para dar dicas sobre carreira verde

Data 19/06/2012

O conceito tão amplamente discutido nos últimos dias, no entanto, é muito vago. Já sabemos que um trabalho verde é aquele que preserva e/ou recupera o meio ambiente, mas como colocar o assunto em prática?

Esse foi o tema da “Arena Pensando Carreiras Verdes”, realizada na tarde desta sexta-feira (15) na Cúpula Mundial Green Jobs, evento que compõe a grade da Rio+20.

O bate-papo reuniu especialistas em diversas áreas para discutir o papel do jovem na construção da economia verde. A conversa foi mediada pelo apresentador Felipe Solari e contou com a participação de Celina Joppert, Diretora de Conhecimento Cultural da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH); Débora Nascimento, Gerente Geral do Instituto Capacitare; Joana Rudiger, Gerente de Talentos da Unilever; José Edmilson Canaes, Diretor de Operações da CDI e Marcos Tanaka, fundador da Boo-Box.

A organizadora do evento, Sheila Pimentel, também esteve presente e reforçou a importância de o jovem construir uma carreira sustentável. “Está tudo na mão dessa juventude. Essas pessoas que estão desenvolvendo suas carreiras agora serão os líderes de amanhã, e elas já nasceram prontas, elas já estão engajadas nessa causa. Tudo depende desses jovens”, pontua Sheila.

E, por mais complicado que pareça, construir uma carreira sólida baseada nos princípios sustentáveis não é tão difícil assim.

O segredo, conta Celina Joppert, é trabalhar com os seus talentos naturais. “É preciso pensar em como os seus talentos podem contribuir para a construção da sua carreira. Ter pensamento crítico é fundamental. Questionar e sair dos padrões é o que gera desenvolvimento”, assinalou a diretora da ABRH.

Já para Débora Nascimento, do Instituto Capacitare, o talento deve vir acompanhado de outras habilidades. “A construção da carreira verde depende muito de criatividade. É pensar em como o seu talento pode ser útil para o meio ambiente e levar isso para dentro das empresas. A melhor maneira de se preparar para isso é estudando. É necessário mergulhar dentro do assunto para criar essa cultura”, destaca ela.

Outra dica de Débora é adquirir experiência. “Não precisa ser uma experiência formal, mas algum conhecimento prévio faz a diferença. Pode ser um voluntariado, ou até mesmo a participação em eventos como a Rio+20”, esclarece a Gerente Geral do Instituto Capacitare.

E comportamento sustentável vai muito além do ato de trabalhar, como lembra Joana Rudiger, da Unilever. “A questão principal é fazer escolhas. O que o jovem precisa saber é decidir quais são os seus valores e procurar uma empresa que compartilhe deles”, comentou a Gerente de Talentos.

Quem reforça a opinião é Marcos Tanaka, fundador da Boo-Box – empresa de tecnologia e publicidade que atinge cerca de 80 milhões de pessoas por mês. Para ele, ser sustentável na carreira só é possível depois de adotar esse comportamento na vida em geral. “Você precisa se questionar, saber se aquilo que você está fazendo faz algum sentido ou não”, afirma o empresário.

E o apresentador Felipe Solari, que conduziu o debate, completa: “É importante estar sempre atento, para começar a mudança por meio do conhecimento que adquirimos”.

 

Essa notícia foi publicada na Universia, em 18/06/2012

Comentários