Salário e ascensão são motivadores na hora de aceitar um emprego

Data 16/11/2010

 

A lista de quesitos avaliados pelos profissionais ao receberem uma proposta de emprego inclui benefícios, importância do cargo e desafios. Mas, para brasileiros, um é primordial: o salário.

É o que indica pesquisa com 2.406 pessoas feita pela consultoria Robert Half em dez países entre setembro e outubro de 2010, obtida com exclusividade pela Folha.

Entre os fatores que motivam muito profissionais brasileiros a aceitar uma nova oportunidade estão salário (76%) e maiores oportunidades de trabalho/ascensão.

Os percentuais, acima dos apresentados pelos outros nove países em que o levantamento foi aplicado, sinalizam que, por aqui, os profissionais estão mais otimistas em relação aos rumos da economia, destaca o gerente da consultoria Fábio Saad.

A projeção do PIB para 2010 na zona do euro é de queda de 0,3%; no Brasil, de aumento de 2,5%, diz o Fundo Monetário Internacional.

Nessa movimentação, o incremento dos salários em propostas no Brasil giram entre 25% e 30% em relação à remuneração anterior, segundo especialistas.

Há quem ofereça ainda projetos, cursos e transferência internacional para "impedir" a migração do talento para outra empresa, assinala Fernando Marucci, diretor da consultoria de RH Asap.

SOCIEDADE

No caso do administrador e filósofo Altiery Gleison, 29, a contraproposta incluiu sociedade na companhia.

Três meses depois de ser demitido do cargo de diretor para prestar consultoria para a empresa na qual atuou por três anos, recebeu a proposta para migrar para um shopping na capital paraense. Aceitar o posto, que exigia exclusividade, significaria o fim da prestação de serviços para o ex-empregador.

O ex-patrão ofereceu 10% de sociedade na empresa. Gleison obteve 20%.

"Para empresas, é menos oneroso oferecer aumento de salário [do que investir em retenção]", analisa o diretor da consultoria Hays em Campinas (SP) Fernando Paiva.

Essa notícia foi publicada na Folha Online, em 14/11/10.