Sancionada lei que permite uso do FGTS como garantia de empréstimo consignado

Data 18/07/2016

Foi sancionada e convertida em lei a Medida Provisória (MP) 719/2016, que permite o uso de parte dos recursos da conta vinculada do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e da multa rescisória como garantia de empréstimo consignado em folha por trabalhadores da iniciativa privada. A Lei 13.313/2016 foi publicada na última sexta-feira (15) no Diário Oficial da União.

A MP foi aprovada no Senado na última quarta-feira (13). No Senado, o relator, senador Benedito de Lira (PP-AL), fez alterações apenas de redação na matéria, para tornar o texto mais claro.

A garantia prevista na MP poderá ser sobre até 10% do saldo individual da conta e sobre até 100% da multa paga pelo empregador em caso de demissão sem justa causa, despedida por culpa recíproca ou força maior.

As taxas de juros médias do crédito consignado estão entre 25% e 30% ao ano no setor público e para os aposentados. No setor privado, no entanto, por causa da alta rotatividade, as taxas estão em torno de 41%. Com o novo tipo de garantia, o objetivo é reduzir a cobrança de juros, explicou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). O senador lembrou que a medida provisória foi editada no governo da presidente afastada, Dilma Roussef.

A MP determina que o Conselho Curador do FGTS defina o número máximo de parcelas e a taxa mínima mensal de juros a ser cobrada pelas instituições nas operações de crédito consignado. A Caixa Econômica Federal, por sua vez, deve determinar os procedimentos operacionais necessários ao cumprimento da nova regra.

Essa notícia foi divulgada no site da Agência Senado, em 15/07/2016

Com a Suíte Gen.te da LG lugar de gente, uma solução completa e integrada de tecnologia para gestão de pessoas, você pode inovar o seu negócio sem deixar de cumprir as obrigações trabalhistas.

Quer saber mais? Entre em contato com a LG!

Notícias relacionadas: 

País é líder em encargo trabalhista, apesar de desoneração

Projeto aumenta multa para empregador que deixar de repassar FGTS em prazo legal

Empregador poderá parcelar débitos ao FGTS em até 60 meses

 

Compartilhe:

Comentários