Sinta-se em casa

Data 31/08/2011

É no trabalho que as pessoas passam boa parte do tempo. Por isso, as empresas têm investido para tornar o ambiente mais aprazível, de forma a proporcionar qualidade de vida e, ao mesmo tempo, favorecer a produtividade. Estruturas como restaurante, academia, salas de descanso e salinhas de café são cada vez mais comuns, ao lado de iniciativas como horário flexível e ginástica laboral. Tudo para favorecer o bem-estar dos profissionais. “Profissionais satisfeitos faltam menos, se dedicam mais e vão menos ao médico – este é o melhor fator de identificação de que uma política de qualidade de vida está dando resultados”, afirma Denize Kallas, consultora de RH do Instituto Gutemberg, braço da Gutemberg Consultores para a area de treinamento e difusão do conhecimento.

Ela lembra que algumas empresas têm políticas de qualidade de vida há décadas, mas o tema está na moda agora porque o perfil dos profissionais está mudando: “somente um salário não basta para fazer o funcionário feliz”, explica.

Ao mesmo tempo em que boas estruturas de apoio aumentam a satisfação e, consequentemente, os resultados, elas não podem ser erroneamente confundidas com moedas de troca por horas extras ou dedicação em tempo integral, sem permitir que os funcionários tenham uma vida particular. “O objetivo principal da empresa, quando pensa no bem-estar do funcionário, é conseguir com que ele se sinta em casa, o que é bem diferente de esperar que o profissional faça do trabalho o seu lar”, compara Denize, referindo-se aos casos em que os benefícios funcionam como uma condição para a dedicação integral. “Quando há essa cobrança excessiva, os benefícios perdem totalmente o sentido inicial, que é proporcionar qualidade de vida. Aí, a pessoa se sente no direito de utilizar horários de trabalho para resolver problemas pessoais, já que não há uma divisão clara entre vida pessoal e profissional”, afirma a consultora.

Mercado Livre e horários flexíveis

No Mercado Livre, cuidar do bem-estar e do conforto dos colaboradores para fazê-los, na medida do possível, sentir-se em casa é responsabilidade da área de Recursos Humanos. Há cerca de dois anos o tema passou a ser obrigatoriamente discutido. “Para nossa empresa, qualidade de vida pressupõe mudança de hábito. Transformar costumes para alcançar objetivos. É isso que procuramos fazer e ensinar aos nossos profissionais”, explica Helen Menezes, gerente de RH.

Entre os benefícios oferecidos pela empresa estão a ginástica laboral, médico do trabalho, baias personalizadas, horário de trabalho flexível, sala de videogame, copa estruturada, avaliações de saúde periódicas e parcerias com academias de ginástica. “A média de idade dos nossos colaboradores é de 24 anos. Entendemos que o horário de trabalho deve ser flexível para que o próprio profissional encontre a organização mais adequada para suas responsabilidades e desejos”, diz Helen. Assim, não existe controle sobre horário de entrada ou saída, nem mesmo sobre horas trabalhadas.

A flexibilidade vale também para o uso da sala de videogame e para a copa – onde mesas, geladeira, micro-ondas, máquina de café e de snacks ficam à disposição. “Grande parte dos colaboradores leva a própria refeição e se reúne na copa para conversar enquanto come. Não controlamos quanto tempo eles passam ali. O que esperamos é justamente esse relacionamento entre os profissionais, com descontração. Nossa avaliação está relacionada à produtividade do profissional. Nos casos em que há queda na qualidade do trabalho, é responsabilidade do gestor verificar o que está acontecendo e encontrar maneiras de reverter a situação da forma mais tranquila possível, partindo sempre do princípio de que a conversa é o melhor caminho”, explica a gerente de RH.

O Mercado Livre oferece ginástica laboral duas vezes por semana, durante uma hora. Além de ter como objetivo evitar a lesão por esforço repetitivo, a prática descontrai e faz com que os colaboradores se desliguem um pouco do trabalho para oxigenar as ideias. “Nossa preocupação é a ginástica entrar no DNA da pessoa, passar a ser fundamental no seu dia a dia”, diz Helen. A ginástica laboral é um dos benefícios que traz resultados mais imediatos. Segundo a gerente de RH, nos dias em que há o exercício a produtividade aumenta em cerca de 4%.

A preocupação com a qualidade de vida dos profissionais da empresa está em constante avaliação e modificação. “A gente ainda sente necessidade de disponibilizar espaços para estudo, com mesas e internet livre. E também há a ideia de incluir uma academia de ginástica dentro da companhia”, conta a gerente de RH, enumerando quais deverão ser as próximas iniciativas em nome do bem-estar.

Essa notícia foi publicada no Canal RH, em 24/08/2011.