Transformando sonhos em realidade

Data 30/06/2010

 

*Por Rosana Rodrigues

Como coach, um dos maiores privilégios que eu tenho é a possibilidade de devolver aos meus clientes a capacidade de sonhar. Na turbulência de tarefas e responsabilidades do dia a dia, algumas pessoas acabam se desconectando de seus principais sonhos e, quando se dão conta, percebem que entraram em uma rotina desmotivadora, sem saberem ao certo o que fazer para assumirem o controle novamente de suas vidas.

Em um processo de coaching, um dos meus primeiros objetivos é ajudar o cliente a avaliar se o sonho que fora estabelecido anteriormente continua válido ou se chegou o momento de traçar um novo sonho que seja mais inspirador. Eu também o ajudo a rever a lista de seus principais valores, que são considerados a base de sustentação (assim como a fundação de uma casa ou um prédio) de tudo aquilo que almejamos para o nosso futuro. Às vezes, acontecimentos como uma promoção ou a perda do emprego, o casamento ou uma separação, o nascimento de um filho ou a perda de um ente querido, promovem mudanças nessa lista de valores que nem sempre são percebidas conscientemente pelo cliente, porque ele não reserva um tempo para reorganizar suas prioridades e ajustar seus comportamentos aos novos cenários.

Se o sonho continua o mesmo, talvez seja uma ótima oportunidade para rever as tentativas que já foram feitas, o que se aprendeu com elas e, assim, traçar um novo plano de ação mais eficaz. Caso contrário, minha tarefa será utilizar nossos primeiros encontros para redefinir a missão de vida, a visão de futuro e os valores.

No entanto, mesmo quando os sonhos estão bem definidos, algumas pessoas ainda encontram dificuldades em transformá-los em realidade. Sendo assim, meu papel como coach, é ajudá-las a descobrirem se existem alguns medos que criam barreiras praticamente invisíveis, porém poderosas no caminho da satisfação e da felicidade. Existem medos que são reais e inclusive nos protegem, como, por exemplo, quando estamos sozinhos em nosso carro e ele quebra em uma rua deserta de uma vizinhança conhecida pelo alto índice de assaltos e criminalidade. Por outro lado, há medos que só surgem devido a nossa falta de conhecimento e preparo para a realização de uma tarefa, como, por exemplo, fazer a apresentação de um projeto para alguns diretores. Nesse caso, estabelecer uma meta S.M.A.R.T. pode ser a garantia do alcance dos resultados esperados:

S – específica: qual o meu principal objetivo com essa apresentação? Qual a principal mensagem que eu quero transmitir?

M – mensurável: como vou saber que alcancei o objetivo estabelecido? Quais serão as evidências que mostrarão que os diretores entenderam exatamente a mensagem que eu gostaria de transmitir?

A – alcançável: em uma escala de 1 a 10, quais as chances que eu tenho de atingir meu objetivo, sendo 1 impossível e 10 totalmente possível? O que eu preciso fazer para aumentar essa possibilidade?

R – recursos: quais são os recursos que eu preciso ter (financeiros, tecnológicos, conhecimento, tempo, emocionais etc) para que eu alcance esse objetivo?

T – tempo: o quanto o prazo que eu estabeleci para me preparar para essa apresentação é suficiente? 

Além disso, eu comumente pergunto ao meu cliente o quê ou quem mais poderia auxiliá-lo em sua jornada e peço para que ele pense nos seguintes tipos de apoios:

Apoio estratégico: quais pessoas de seu convívio poderiam dividir conhecimento e compartilhar experiências com você, de modo a auxiliá-lo a encurtar a curva de aprendizado, a encontrar diferentes recursos e a criar resultados melhores e mais rapidamente? Lembre-se: colaboração pode permitir que você faça mais em menos tempo!

Apoio emocional: quais pessoas, profissionais especializados, comunidades ou instituições poderiam ajudá-lo a se tornar o ser humano que você sabe que você pode ser, da forma mais neutra e ética possível? Lembre-se: apoio emocional é como oxigênio, todos nós precisamos!

Apoio nas tarefas: uma vez que sua meta esteja estabelecida, que tarefas poderiam ser delegadas e para quem? Que sistemas você poderia criar para facilitar a implementação de cada etapa? Lembre-se: use sua energia para aquilo que realmente importa!

É fundamental ter a consciência de quais são seus verdadeiros sonhos, estar aberto a experimentar, a fazer mudanças na forma de pensar quando necessário e aceitar ajuda quando preciso. Isso requer que você se observe constantemente e assuma a responsabilidade por seus atos e escolhas. Quando a vigilância é constante, a correção de rota se torna mais simples, a turbulência desaparece e dá espaço para que você aproveite melhor a viagem!

Consultora de desenvolvimento pessoal e profissional, Rosana Rodrigues atua na Crescimentum como Executive Coach e Consultora de Negócios. Tem formação Internacional em Coaching e certificado Internacional em Master Coaching Program.

Comentários