Veja os riscos da mentira se misturar com a rotina profissional

Data 13/04/2011

 

"A hipocrisia dá espaço para as mentiras". A frase é da professora de Psicologia Organizacional e do Trabalho da Pontifícia Universidade Católica (PUC), Carmem Lúcia Arruda Rittner.

De acordo com ela, muitas empresas, por exemplo, possuem regras de premiação aos melhores funcionários que, para atingirem êxito, mentem para fechar um negócio ou efetuar uma venda.

Além disso, Carmem explicou que a mentira faz parte dos traços da personalidade da pessoa. Quem se vale diariamente das artimanhas da mentira acaba deixando a realidade de lado para viver algo irreal, ou seja, se apoia na falsidade para obter sucesso.

A mesma opinião é compartilhada pela diretora de projetos da Great Place to Work, Roberta Hummel. Para ela, o "pinóquio profissional" irá seguir sua carreira apenas em empresas que não prezam a ética e a transparência.

Comportamento

Para Carmem, algo que não é verdadeiro não pode ajudar o funcionário a progredir na vida. Ele não consegue enganar todo mundo para sempre, e um dia essa 'maré' pode se voltar contra ele.

"Se alguma coisa na empresa está levando o funcionário a mentir, o gestor dessa organização deve tomar as providências corretas para identificar a frequência desses atos errôneos", afirma a psicóloga.

"Ele [mentiroso] precisa apresentar algo que não é verdadeiro, para suprir algo. Aqueles que têm auto confiança estudam e se esforçam e, consequentemente, descartam a mentira", completa Carmem.

Roberta, da Great Place to Work, sustenta que, dentro de uma empresa, o ideal é que as pessoas confiem umas nas outras. Ela diz que "o espaço para mentira acaba não sendo tolerado dentro de uma companhia séria, que visa a fidelidade com fornecedores e clientes".

Mentira corporativa

Engana-se, contudo, quem acha que a mentira se resume apenas ao funcionário. Ela pode ter origem em profundezas muito mais densas, como o próprio gestor ou na política comumente empregada pela companhia.

"O profissional que trabalha em empresas que não possuem código de ética e de conduta, uma empresa que permite esse tipo de atitude, pode possivelmente aplicar esse tipo de comportamento em ações muito maiores. O mentiroso é incentivado e estimulado por organizações que não se preocupam em ter relações saudáveis com seus clientes", explica Roberta.

Essa notícia foi publicada no Administradores, em 07/04/2011.