4 erros frequentes na hora de elaborar o orçamento de pessoal

Data 19/10/2020
orçamento de pessoal

Para um orçamento de pessoal assertivo e aderente ao “bolso” das companhias, não existe fórmula mágica. Afinal, cada organização tem suas particularidades, entre elas o próprio prazo de execução dessa atividade.

Muitas empresas começam a levantar dados desde março, outras já preferem deixar para momentos de menor fluxo de trabalho. Isso significa que não há um padrão a ser adotado, mas certamente existem alguns erros que são comuns à maioria das organizações, independentemente do negócio de atuação.

Segundo Milton Marinho, Consultor de Recursos Humanos e Diretor Executivo na Avante – Treinamento e Desenvolvimento Organizacional, é preciso pensar de forma antecipada o planejamento para o próximo ano.

“Não é um diálogo sobre custos, é muito mais sobre investimentos. E o investimento antecipatório está na competência de quem vai defender e administrar um planejamento e um orçamento com a alta cúpula da companhia”, afirma o especialista.

 

Pensando nisso, pedimos ao consultor que listasse as 4 falhas frequentes das empresas durante essa atividade. Confira:

1 – Considerar apenas o salário do funcionário

Além do valor pago mensalmente ao colaborador, é preciso levar em conta uma série de variáveis que compõem o orçamento de pessoal, como os benefícios ofertados aos funcionários.

Para o consultor de RH, além disso, é necessário pensar no futuro e nas diversas situações problemáticas que a empresa pode enfrentar, e assim prever estratégias. A “ciência de decisão permite que a gente consiga se antecipar”, conclui.

2 – Não antecipar cenários

Milton pontua que, com a crise de covid-19, os profissionais se tornaram mais minuciosos em relação ao amanhã. “A pandemia nos colocou mais estrategistas na análise de futuro. Eu acho que é uma competência que a gente não pensava que era tão importante”, afirma.

Milton Marinho orçamento de pessoal

Milton Marinho, Consultor de Recursos Humanos e Diretor Executivo na Avante – Treinamento e Desenvolvimento Organizacional

O consultor salienta que as empresas costumam definir um budget apertado durante o planejamento para o ano seguinte, e que a pandemia nos mostrou que é essencial colocar uma margem para prever despesas inesperadas. “O orçamento deve considerar tudo o que pode se colocar diante de nós, permitindo que existam mecanismos de antecipação para problemas futuros”, assegura.

3 – Não apresentar boas estratégias

Uma das dificuldades do RH é defender o orçamento de pessoal para o board das empresas. Para superar esse desafio, Milton afirma que é preciso encarar a alta administração da companhia e os surpreender com boas estratégias e objetivos para justificar os investimentos.

Ele sugere que o RH surpreenda o board com um planejamento bem estruturado. “A surpresa precisa vir motivada por informações, dados, análises, estratégias compromissórias e, mais que tudo isso, informações de qual será o retorno do investimento”, garante.

4 – Não investir em transformação digital

Quais ferramentas oferecem a possibilidade de reconhecer predições de cenário? Quais mostram o quanto foi gasto com benefícios no ano passado? E qual seria a previsão em um diálogo com a área de suprimentos ou com o financeiro?

Esses são alguns questionamentos levantados pelo Consultor de Recursos Humanos e Diretor Executivo da Avante para começar a discussão sobre transformação digital.

Além disso, ele reconhece que soluções digitais podem fazer uma grande diferença no resultado da empresa. “As ferramentas de base tecnológica são o apoio indispensável e indissociável da melhor estratégia”.

Milton considera que a tecnologia ajuda a garantir boas argumentações. “Trabalhar planejamento e orçamento de RH para o ano posterior envolve sim, obrigatoriamente, ampla comunicação e reconhecimento de dados. Ser um proponente tecnológico é da natureza de uma gestão de pessoas qualificada”, aponta.

Bônus: passo a passo da jornada do planejamento de RH

Além da lista com os erros mais frequentes durante o orçamento de pessoal, confira também um passo a passo para a jornada do planejamento de RH ser bem-sucedida.

Identifique os desafios da sua empresa para o próximo ano

  • Liste os objetivos da companhia e verifique como o RH pode contribuir para alcançá-los.
  • A partir disso, verifique os gaps dentro da equipe que podem impedir de chegar lá: temos conhecimento? Temos soluções de tecnologia? O dimensionamento da equipe está correto?
  • Considere os desdobramentos da pandemia e adapte-se às mudanças. Cerca de 3 em cada 5 empregadores planejam revisar sua estratégia de saúde para 2021, de acordo com a “Pesquisa covid-19 Brasil: impactos nos negócios e nos benefícios”, realizado pela  Willis Towers Watson.

Conheça as tendências de mercado que podem contribuir com seu RH

  • Pesquise sobre as inovações em tecnologia para RH e descubra os benefícios que elas podem trazer para sua empresa.
  • Observe se as soluções atuais de sua empresa atendem às necessidades da sua cultura organizacional. Se não, faça uma pesquisa de mercado para estimar o investimento em seu orçamento.
  • Verifique como a tecnologia pode contribuir com os resultados do seu negócio. O relatório “Impactos da covid-19 no futuro do trabalho”, da Deloitte, aponta que a pandemia reforçou a convicção de que pessoas e tecnologias são essenciais para as organizações.

Otimize o orçamento de pessoal

  • Segundo o estudo da Willis Towers Watson, com a pandemia, 55% das organizações brasileiras congelaram as contratações e 20% reduziram o quadro de empregados. Para 2021, o RH precisa avaliar se o cenário se manterá ou se a empresa retomará os contratos e processos seletivos.
  • Ao automatizar o processo de orçamento de pessoal, com o apoio da tecnologia, o RH conseguirá fazer a simulação de cenários e cargos. Integrando o orçamento e a folha de pagamento, será possível fazer o acompanhamento de tendências de acordo com dados históricos da empresa.

Defenda a importância dos investimentos em gestão de pessoas

  • Apresente estudos que reforçam os benefícios que a tecnologia pode trazer para a gestão de pessoas da empresa. O relatório da PwC, “covid-19: informações para os líderes empresariais”, por exemplo, afirma que, à medida que as empresas forem passando da resposta ao surto para a mitigação de seus impactos, entrarão em foco as estratégias para sair mais forte dessa crise.
  • Mostre para os líderes como as novas soluções podem otimizar a gestão de pessoas, dando mais autonomia para os gestores e colaboradores.
  • Reúna as informações sobre os benefícios de adotar soluções para RH e apresente para o board como elas podem contribuir com os resultados do negócio. Tente estimar em números o retorno sobre o investimento (ROI).

Escolha um parceiro de tecnologia confiável

  • Avalie os fornecedores de tecnologia para RH: as inovações, aspectos técnicos, integrações e suporte oferecidos.
  • Verifique o modelo da infraestrutura tecnológica do fornecedor. De acordo com a pesquisa “Cloud 2025: The future of workloads in a cloud-first, post-covid-19 world”, da LogicMonitor, a covid-19 se tornou catalisadora da migração de empresas para a nuvem.
  • Conte com referências e recomendações de mercado. Dê preferência às empresas especializadas em tecnologia para RH, afinal, quanto mais especializada, maiores são os esforços em acompanhar as tendências e oferecer inovações para a gestão de pessoas.

Gostou? Quer mais dicas de como preparar seu RH para o próximo ano? Participe da Jornada do Planejamento de RH. Clique aqui e confira as lições e conselhos de especialistas para cada etapa do processo. Gen.te Planeja – Orçamento de Pessoal.

Publicada em março de 2018 e atualizada em outubro de 2020.