Como construir uma liderança inovadora na sua empresa?

Data 29/08/2017
liderança inovadora

Mais de 90 anos de atividade e de 600 funcionários, um negócio que é referência em sua área de atuação e uma marca consolidada no mercado. Esse é o histórico da Mercur, fabricante de produtos de borracha, com sede em Santa Cruz do Sul (RS), que poderia ter se dado por satisfeita com os bons resultados conquistados e parado por aí. Mas não foi o que aconteceu. A empresa foi além e colocou o conceito de liderança inovadora em prática!

Em 2008, a Mercur passou por um processo de desconstrução da hierarquia. Se antes a companhia seguia o modelo tradicional de gestão, com chefes e subordinados, agora, ela se organiza em colegiados autogeridos, que são responsáveis por tomar as decisões em cada área.

liderança inovadora

Jorge Hoelzel, Membro do Conselho de Administração e facilitador da Mercur

Jorge Hoelzel, Membro do Conselho de Administração e facilitador da Mercur, integrante da terceira geração da família no comando dos negócios e principal executivo da empresa desde 1991, foi quem propôs a mudança.

Na visão dele, as organizações em geral “olham apenas para o próprio umbigo”, esquecendo seu dever primordial de servir as pessoas. Dessa forma, tornam-se reféns de seu capital. Por isso, com o apoio das irmãs, o executivo resolveu reescrever essa história, estimulando clientes, fornecedores e funcionários a integrar uma cadeia de produção e consumo sustentável.

Confira as dicas de Jorge para desenvolver a liderança inovadora:

Crie oportunidades

Segundo Jorge, colaboradores e líderes não são formados ou desenvolvidos de fora para dentro, mas sim, emergem a partir da construção do próprio indivíduo, ou seja, através do autodesenvolvimento.  “Assim, é fundamental que sejam criadas oportunidades para que a pessoa evolua conforme seu protagonismo e autonomia, contribuindo com seu próprio aprendizado”, destaca o executivo.

Invista no desenvolvimento

Segundo o facilitador da Mercur, o aperfeiçoamento das pessoas é tão relevante que deveria ser assumido pelas companhias como parte do pacote de benefícios oferecido aos seus trabalhadores. “Leia-se aí não o treinamento para funções profissionais, mas sim o ‘desenvolvimento do ser humano’ de maneira que ele possa contribuir para a formação de uma sociedade mais preparada para a construção do seu próprio sistema de vida”, completa Jorge.

Pense em longo prazo

Jorge reforça que a liderança inovadora enxerga o futuro sob lentes mais sensíveis, que consideram não apenas as questões econômicas-financeiras, mas também as questões humanas, sociais e ambientais. “Esse modelo dá conta das necessidades que passavam despercebidas nos planejamentos que fazíamos. Hoje, os principais resultados alcançados estão relacionados à evolução do diálogo entre as pessoas que interagem com a empresa e da cocriação de novas possibilidades”, explica o executivo.

Quer saber mais sobre esse tema? Clique aqui e confira nosso ebook! 

 

Compartilhe:

Comentários