Saiba como a liderança deve orientar o mindset ideal para a era digital

Data 18/02/2020
liderança

A tecnologia é sem dúvida o destaque no cenário da transformação digital, colocando a área de Tecnologia da Informação (TI) em posição crucial para as organizações. Contudo, torna-se cada vez mais necessário que ela seja capaz de se consolidar além das funções técnicas. E, para oferecer suporte e promover o impacto necessário no negócio que o momento exige, o mindset de liderança adequado é essencial.

liderança

É o que explica Mirela Siani, Gerente Global de Inovação e TI da Vale, a partir do que vivenciou em sua trajetória. Formada em Processamento de Dados na Universidade Mackenzie, com Pós-Graduação em Análise de Sistemas (Mackenzie) e Gestão de Negócios (FGV), a especialista iniciou sua carreira como Suporte Técnico.

Contudo, o contato com uma nova tecnologia para gestão fez com que Mirela aproveitasse a aquisição esses conhecimentos para adotar uma postura aberta à inovação que refletiria em sua trajetória

“Na época, a consultoria fez uma parceria para treinar profissionais em um ERP, por meio do qual iniciei o conhecimento na área de Supply Chain. Agarrei a oportunidade e passei a ser especialista nesse segmento, o que fez com que a IBM me contratasse anos depois para liderar o Suporte de Produção de Supply Chain na Vale”, conta.

Indo além, ela ressalta que liderar times na era das novas tecnologias requer um olhar diferenciado. “Além de estar antenado nas soluções inovadoras, é fundamental ter em mente que a transformação digital vai muito além da área de TI. Existe mudança tanto na forma de pensar, quanto na estrutura do trabalho e nas soluções. O modelo deve ser mais ágil e colaborativo”, argumenta.

Liderança e interdisciplinaridade

Para Mirela Siani, o momento atual exige da liderança a capacidade de entender a urgência de cada demanda. Por isso, especialmente no TI, tratar processos internos como rotinas descoladas das demais áreas da organização pode ter repercussões negativas.

liderança
Mirela Siani, Gerente Global de Inovação e TI da Vale

Diante disso, a colaboração tem papel fundamental. “É necessária uma visão holística. A TI não pode mais ser vista de forma separada do setor de negócios. Até mesmo as especialidades dos colaboradores da área não devem estar isoladas. Todos devem atuar em conjunto vislumbrando o mesmo fim”, pontua.

Segundo Mirela, o motivo disso está no fato de que a realidade atual pede que o conhecimento seja cada vez mais interdisciplinar e, da mesma forma, TI e negócio precisam caminhar lado a lado. Ela ressalta que é da relação entre a companhia e seus públicos que surgirão novas ferramentas e processos.

“TI e Business estão entrelaçados. Inclusive, é a área de negócios que nos ajuda a trazer melhores soluções. Além disso, na Vale, procuramos sempre focar em empatia e em entender a real dor do usuário. Não é possível pensar somente no produto e esquecer a experiência do cliente”, completa.

O elo entre tecnologia e pessoas

Embora ainda haja um temor em torno dos avanços tecnológicos na era digital, Mirela Siani avalia a importância de se colocar tecnologia e pessoas como lados de uma mesma moeda.

“Muitos ficam com medo das automatizações por acharem que podem gerar desemprego. Mas o que todos devem ter em vista é que a tecnologia não exclui as pessoas. Pelo contrário, elas devem andar juntas, até porque as soluções tecnológicas têm um limite. As qualidades do ser humano são completamente essenciais à tecnologia e vice-versa”, afirma.

Como exemplo, ela cita o machine learning, que precisa da intervenção humana no fornecimento de dados para que a ferramenta consiga chegar a análises avançadas. “A máquina sem a pessoa não funciona e a pessoa sem a máquina não evolui. Essa é uma quebra de paradigma que deve entrar na consciência de todas as áreas”, aconselha.

Para que isso aconteça, a especialista explica que o líder deve atuar como propagador de uma nova mentalidade e cultura. Mirela acredita que cabe à liderança não só estar em constante evolução, mas também estimular seus colaboradores a fazerem parte da transformação.

Pontos-chave para a transformação

Ainda assim, esse não é um processo simples e a Gerente Global de Inovação e TI da Vale reforça alguns pontos-chave para a transformação, como o diálogo constante. Além de ouvir os colaboradores, a especialista frisa que também é preciso respeitar a evolução natural da mudança de mentalidade.

“Não adianta querer exigir uma mudança radical do time de um dia para o outro. Gradualmente, temos que quebrar alguns símbolos críticos para alcançar a alta performance e aprender como trazer a transformação digital para a prática”, explica.

A partir daí, Mirella reforça a importância de dar independência aos colaboradores, fazendo com que todos se sintam donos do projeto. No entanto, ela esclarece que essa etapa deve ser acompanhada de feedbacks constantes para proporcionar a melhor trilha evolutiva.

Para ela, o contexto de inovação constante faz com que essa postura colaborativa e aberta a novas experiências seja vital para que a assimilação de novas tecnologias aconteça tanto para dentro da TI como do setor para as demais áreas da organização.

Mais do que nunca, Mirela Siani acredita que a transformação digital passa invariavelmente pela adoção de uma nova postura e a ação da liderança tem influência direta nos resultados desses esforços. “O líder tem o grande papel de desenvolver seu time no contexto de hoje. É preciso estimular a quebra de um mindset para a promoção de um novo, possibilitar formas diferentes de trabalhar e estar sempre preparado para o que está por vir. É desafiador. Em tecnologia, quando você percebe, já está atrasado. Por isso, é necessário estar em constante evolução”, completa.

Quer saber mais sobre como a liderança de sua organização pode encarar o desafio da era digital a partir da experiência dos principais profissionais do mercado? Clique aqui e leia a última edição da Revista Huma.