No resumo da semana: engajamento de equipes, FGTS e Síndrome de Burnout

Data 21/03/2017

O volume de informações às quais temos acesso hoje em dia é muito grande. Por isso, semanalmente, separamos alguns conteúdos interessantes e relevantes para você, leitor do blog Huma. Nesta semana, mais uma vez o tema gestão de talentos vem à tona em materiais publicados pelo Valor Econômico e Exame. FGTS e Síndrome de Burnout também foram assuntos que marcaram a semana. Confira!

O líder é peça-chave para o engajamento de equipes

Em entrevista ao Valor Econômico, Elaine Saad, presidente da ABRH, fala sobre as prioridades do RH este ano. Saad afirma que a gestão de talentos é o foco e que o líder é peça fundamental para superar um cenário de redução de recursos. Segundo ela, cada colaborador possui um interesse motivacional diferente e, se o líder consegue captar essa individualidade, suas ações de engajamento terão mais sucesso.

Assista à entrevista completa no site do Valor para ver o que esperar do RH este ano.

Ainda falando sobre gestão de talentos, Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half, fala em artigo para a Exame.com sobre como os colaboradores que mais se destacam devem ser recompensados. Mantovani ressalta que é comum funcionários com melhor desempenho serem premiados com projetos especiais ou receberem uma carga maior de trabalho. Isso pode causar problemas de saúde físicos e mentais devido à sobrecarga.

Leia o artigo completo e saiba a melhor forma de reconhecer bons resultados e garantir a motivação da equipe

Novo prazo para empregado cobrar parcelas do FGTS não pagas é de 5 anos

carteiras de trabalho

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu no último dia 16 que este prazo de reclamação deve ser igual ao dos demais direitos trabalhistas que também é de 5 anos. Antes, o empregado tinha até 30 anos para reclamar parcelas não pagas. Leia a matéria completa na Agência Brasil.

Cerca de 30% da população brasileira sofre de Síndrome de Burnout

A Síndrome de Burnout atinge 30% da população brasileira e 4% da população mundial. Isso é o que aponta a International Stress Management Association (ISMA).

O Burnout é causado pela combinação de alguns fatores como rotina de trabalho desgastante, desequilíbrio entre a vida profissional e a pessoal, problemas de relacionamento com superiores, colegas ou até clientes, insatisfação, sentimento de desvalorização no trabalho, dentre outros.

Cada pessoa apresenta sintomas diferentes e, em muitos casos, pode ser confundido com depressão. Leia a matéria completa no site Administradores e saiba como essa doença pode ser identificada e tratada.

Comentários