Por que o capital humano é ainda mais essencial na era digital?

Data 25/06/2019
Pesquisa-capital-humano

Se 2018 marcou o surgimento das empresas sociais, o último relatório anual de tendências de Capital Humano, conduzido pela Deloitte, aponta que a necessidade de transformação na forma como as organizações se relacionam com seus funcionários, mercado e sociedade se tornou ainda mais forte em 2019. Mas o cenário desenhado pela pesquisa mostra que alcançar esse objetivo vai exigir uma profunda capacidade de reinvenção das empresas.

Tendências Globais de Capital Humano 2019

Essa é a opinião de 84% dos 10 mil líderes de negócios e Recursos Humanos, de 119 países, que participaram do estudo. Mesmo com alguns avanços em relação à transformação digital, os respondentes afirmam que ainda precisam reinventar suas experiências com a força de trabalho para melhorar a produtividade.

Entretanto, esse tema ainda está longe de ser o principal ponto de preocupação. Como mostra o relatório, os CEOs classificaram o impacto das empresas na sociedade como a principal forma de medir sucesso em 2019, e citam assuntos como desigualdade de remuneração, diversidade e meio ambiente em posição de protagonismo.

Empresas focadas em princípio e propósito

Pensando nessa transformação pela qual as empresas devem passar, a Deloitte levantou as principais tendências em gestão de pessoas de 2019. Por isso, entendendo o desafio que as organizações têm pela frente para se tornarem as empresas sociais que o mercado precisa, a consultoria sugere que elas se guiem por conjuntos de princípios com foco no capital humano.

Dentre eles, estão propósito e significado, ética e equidade, crescimento e motivação, colaboração e desenvolvimento, bem como transparência e abertura. Diante do resultado da pesquisa feita pela consultoria, entre mais de 10 mil millennials de 36 países em 2018, começar por estabelecer propósito e significado para o funcionário é crucial para potencializar o capital humano das organizações.

Para isso, o relatório ressalta a importância de ir além do lucro. Isso porque enquanto as empresas buscam pelo retorno ideal, o levantamento mostra que mais de dois terços dos novos jovens que chegam ao mercado precisam realizar trabalhos paralelos para complementar a renda. Lidando com problemas de sobrecarga, produtividade e burnout, entre outros, esses profissionais estariam ficando insatisfeitos com o trabalho propriamente dito.

Para transformar essa realidade, a consultoria acredita não apenas na necessidade de causar um impacto positivo na sociedade, mas também nos trabalhadores, já que eles têm um relacionamento mais próximo e duradouro com a empresa. O relatório explica ainda que esses profissionais desejam perceber valor em sua ligação com a organização.

Ética e equidade na revisão de cargos

A pesquisa reforça que o capital humano ainda é o que move o mundo, apesar da evolução da tecnologia. Por isso, é necessário lançar mão das ferramentas disponíveis tanto para criar cargos, quanto capacitar os profissionais que irão ocupá-los.

Embora executivos entrevistados afirmem ser mais provável que os profissionais ativos no mercado consigam posições melhores em outra empresa do que dentro das organizações em que já trabalham, a Deloitte explica que o objetivo deve ser redirecionar o talento desses colaboradores.

Para isso, a consultoria salienta que as organizações devem entender que o formato freelance, visto no passado como alternativo, hoje é o foco principal. Com a presença crescente de inteligência artificial operando uma mudança natural em praticamente todas as áreas de trabalho, o relatório aposta no surgimento de “super empregos”, que exigirão profissionais dotados de um conjunto de conhecimentos de áreas distintas equilibrados pelo potencial humano.

Permitir o crescimento e alimentar a paixão

A abertura ao crescimento alinha-se ao desafio das empresas sociais. A constatação de Josh Bersin, Fundador da Deloitte, é de que a principal causa de pedidos de demissão seria a impossibilidade de aprender e crescer dentro da empresa.

Como resposta a isso, o estudo Global Human Capital Trends 2019 aponta crescimento e motivação como princípios que também são inerentes à transformação das organizações.

Para isso, a consultoria ressalta a necessidade de contar com métodos de aprendizagem mais integrados ao trabalho, pessoais e orientados gradativamente para modelos permanentes na empresa.

Como explica o Vice-Presidente da LG lugar de gente, é preciso rever a utilização de padrões homogêneos. “As funções mudam, a capacidade de adaptação é fundamental e é preciso usar a tecnologia para ser mais assertivo, inteligente e não perder o funcionário. Uma coisa é submeter o colaborador a um treinamento de três semanas após o horário de trabalho, por exemplo. Ele não vai topar. Outra abordagem seria oferecer 30 minutos diários de um treinamento desenhado com inteligência artificial para apontar o que as pessoas, na mesma função e com melhor performance, têm em destaque, bem como quais são as qualidades do funcionário e seus gaps. É uma forma diferente de abordar”, explica.

Esforço coletivo para o desenvolvimento

A pesquisa aponta um aumento significativo de desempenho com o uso de tarefas baseadas em times. Além disso, pelo menos um terço dos entrevistados garante que já abandonou o formato hierárquico. Mesmo assim, o estudo aponta que muitos líderes e organizações ainda não sabem como utilizar o novo formato.

Apesar disso, o relatório mostra que as novas tecnologias podem facilitar o funcionamento desses modelos. Para atingir o resultado esperado, a consultoria frisa que as empresas precisam estabelecer programas e incentivos que apoiem essa abordagem desde o C-Level, já que esses profissionais muitas vezes se mostram pouco aptos para operarem como um time integrado.

Mas o desafio não deve parar por aí, em suas recomendações para aplicação do modelo mais eficaz, o estudo mostra que o envolvimento dos colaboradores com o objetivo coletivo deve ser recompensando.

Ainda assim, para reforçar o conceito de que cada elemento do time é importante na busca de um resultado global para a organização, o relatório ressalta que esse reconhecimento deve ser feito oferecendo a possibilidade de mobilidade natural aos talentos, independentemente de posições e cargos.

Tendências Globais de Capital Humano 2019

Informações transparentes

A oferta de recompensas para potencializar o desempenho do capital humano é um dos pontos estratégicos na busca pelo aumento de produtividade. No entanto, o relatório anual da Deloitte constatou que 23% dos executivos sequer sabem que tipo de gratificações seus colaboradores desejam.

Diante disso, Felipe Azevedo ressalta a importância de aplicar a mesma dedicação em conhecer o funcionário da que se aplica para conhecer o cliente. “O que você precisará investir em capital humano em 2020 para atender o objetivo estratégico da sua empresa em 2025 ou 2030? O primeiro ponto é entender isso. Ter um nível profundo de informações sobre os seus colaboradores, sobre as competências instaladas e aquelas que serão necessárias, entender as competências-chave de quem performa e os motivadores dessas pessoas para que a empresa consiga investir nesses subsistemas”, pontua.

Isso remete aos princípios de transparência e abertura recomendados pela Deloitte. Embora o conceito de “experiência do empregado” esteja fortemente presente, 84% dos executivos o consideram muito importante, mas sua aplicação ainda se mostra inadequada na visão da consultoria.

O relatório sugere que reverter esse quadro passa pela adoção do conceito “experiência humana”. Isso significa ir além da relação com o funcionário para realmente entender e atender suas aspirações no cumprimento do propósito de seu trabalho.

Assim, ouvir o colaborador e construir um relacionamento capaz de discutir desafios e barreiras a serem superados pela organização podem alavancar os resultados e conectá-lo ao impacto que ele deseja ter na sociedade. Esse processo se desenvolve enquanto o funcionário é estimulado a contribuir de forma mais pessoal e positiva possível para alcançar o melhor para a empresa.

Para Felipe Azevedo, é crucial saber como usar as informações e ferramentas disponíveis para reconhecer os talentos, traçar caminhos e estabelecer incentivos certos. “Nós já temos muitos cases concretos na LG lugar de gente com o que aparece nesse último relatório divulgado pela Deloitte. O importante é saber para onde o negócio está indo, o que eu tenho hoje de capital humano instalado e qual é o capital que eu precisarei ter para atingir esse resultado futuro, sabendo que os ciclos de mudança hoje são cada vez mais curtos”, finaliza.

Gostou das tendências em capital humano para os próximos anos? Quer saber também sobre o tema transformação digital e sua aplicabilidade ao dia a dia da gestão de pessoas? Acesse a Jornada de Transformação Digital do RH e entenda como desenhar suas estratégias em longo prazo. Clique aqui para conferir.