3 tendências de gestão de pessoas para 2021

Data 11/01/2021

O último ano foi repleto de mudanças e aprendizados para as empresas e profissionais. Não é segredo que todos tiveram que se adaptar para garantir a sustentabilidade dos negócios. Depois de tantos desafios, surgem dúvidas como: o que permanece das alterações? Quais temas precisam estar no radar das companhias ? Para ajudar você a se preparar para 2021, listamos três tendências de gestão de pessoas.

Afinal, o que deve estar no radar da gestão de pessoas em 2021? Uma pesquisa da consultoria Gartner, realizada no final de 2020 com mais de 800 profissionais de RH de várias organizações, elencaram suas maiores preocupações e prioridades para este ano. São elas:

  • 68% dos profissionais se preocupam em construir habilidades e competências críticas;
  • 46% destacam que é imprescindível repensar a configuração organizacional e mudar a gestão;
  • 44% estão tentando compreender qual é o papel da liderança no futuro;
  • 32% sentem que é necessário entender as novas tendências para o futuro do trabalho;
  • 28% estão focados em como cuidar da experiência do colaborador.

Para falar sobre as tendências de gestão de pessoas para 2021, a LG lugar de gente convidou Andrea Iorio, autor dos livros “6 Competências da Transformação Digital” e “O futuro não é mais como antigamente”, para o 18º episódio do podcast Pra Gente. Segundo ele, diante de um contexto de transformação no modo de trabalho e nos colaboradores, a área precisa renovar o seu papel nas empresas. “Esse momento pede um RH mais estratégico, próximo e desenvolvedor”, destaca o especialista.

Ouça agora o episódio “Expectativas e tendências de RH: o que esperar para 2021?”

Principais tendências de gestão de pessoas para 2021

Devido às transformações que ocorreram com a pandemia, a gestão de pessoas precisou focar em formas de manter o desenvolvimento dos colaboradores e líderes, principalmente, durante a fase de transição para o sistema híbrido.

Sobre essa nova forma de trabalho, Felipe Azevedo, Presidente da LG lugar de gente, reforça que as organizações precisam repensar sua estrutura e seu novo papel. “O modelo híbrido veio para ficar, a maioria não quer 100% home office assim como não quer 100% de escritório”, afirma.

Embora algumas questões já estivessem em pauta, muitas tendências foram aceleradas durante o cenário pandêmico. O que demonstra que as empresas precisam estar cada vez mais preparadas para manter o equilíbrio durante as situações inesperadas do mercado.


Segundo Felipe, durante a crise, a gestão de pessoas tem um papel de protagonista frente às novas estratégias adotadas pelas companhias. Isso porque, estamos “vivendo agora uma definição de novas boas práticas”, explica.

Para ajudar os profissionais da área a superarem os desafios do último ano e se prepararem para 2021, no podcast Pra Gente, Andrea Iorio e Felipe Azevedo listam diversas lições. Confira três tendências para gestão de pessoas apontadas por eles:

1 – Foco na liderança

Se a liderança já era um ponto de atenção nas companhias, com a pandemia de covid-19, ela se tornou essencial. Contudo, segundo a pesquisa da Gartner, somente 44% dos funcionários afirmaram confiar em seus líderes para condução do trabalho diante um período de crise.

Por isso, esse é um dos focos a serem trabalhados pelas empresas em 2021. Andrea explica que os líderes são vistos como referências pelos funcionários e, por esse motivo, devem ter um perfil em constante evolução.

“A crise fez com que a liderança estivesse sob pressão, pois em um momento como esse os colaboradores buscam um norte na procura por respostas. Porém, nem sempre os líderes têm essas informações”, aponta.

2 – Agilidade na gestão de pessoas

Outra tendência de gestão de pessoas em 2021 é o foco na agilidade da área de gente e gestão, principalmente, por conta do dinamismo vivido na era digital e pelas imprevisibilidades do atual cenário.

De acordo com Andrea, é preciso que a gestão de pessoas garanta aos funcionários uma relação próxima e que gere engajamento, oferecendo autonomia e estimulando o potencial. Para isso, é necessário “ter mais frequência de pontos de contato com os colaboradores”, explica.

Além disso, a agilidade permite que as empresas busquem constantemente novos modos de adequação e melhorias. O especialista esclarece que isso é possível através da mensuração de dados, que possibilita “tomar decisões de formas mais rápidas, baseadas nos números levantados”, afirma.

3 – Repriorização das soft skills

Ao longo dos anos as habilidades necessárias para a execução de um bom trabalho mudaram, cobrando dos profissionais uma evolução. Em um momento de instabilidade, como o que vivemos, muitas organizações podem criar dinâmicas para a requalificação dos seus funcionários, adequando-os às necessidades atuais do negócio.

Segundo Andrea Iorio, as habilidades emocionais ficaram por muito tempo nas sombras das hard skills. Isso porque, a definição de inteligência herdada dos antigos métodos científicos sempre foi voltada para o conhecimento técnico, por ser mais fácil de se medir.

Entretanto, o especialista questiona, “como avaliar o grau de colaboração de um funcionário? Como mensurar sua inteligência emocional? Como dar um feedback para ele e dizer que o seu objetivo para 2021 é ser mais inovador? Qual será a referência do colaborador? Tudo isso é para entendermos que as soft skills serão cada vez mais repensadas”, finaliza.

Sendo assim, o departamento de gente e gestão deve se atentar as formas de desenvolvimento de colaboradores e lideranças, adequando-os para as novas estruturas e estratégias. Além disso, também priorizar as softs skills, para que as empresas estejam mais preparadas para se recuperarem e prosperarem.

Quer ficar por dentro das principais tendências para deixar a gestão de pessoas mais eficiente e estratégica em 2021? Ouça o 18º episódio do Pra Gente, o podcast da LG lugar de gente.

Compartilhe:

Comentários