fbpx

Diversidade e inclusão nas empresas: pesquisa aponta resultados significativos para o negócio

Data 23/11/2021
Diversidade equidade e inclusão

Diversidade e inclusão nas empresas é um assunto chave para os negócios. Essa é a conclusão do levantamento Guia Salarial 2022, realizado anualmente pela Robert Half, que contou com a participação de 300 executivos C-level do Brasil. Mas como promover uma perspectiva de trabalho plural? Quais são os resultados colhidos em equipes baseadas em Diversidade, Equidade e Inclusão (DEI)? Veja o que diz o estudo.

De acordo com o relatório, empresas de todo país já estão adotando práticas de DEI em suas rotinas e os resultados são positivos: times diversos e inclusivos são melhores na resolução de problemas, tomada de decisão e inovação.

Descubra como os negócios estão considerando as habilidades de profissionais de diferentes características e quais os ganhos para as companhias.

A mudança é real e prática

Fernando Mantovani, Diretor Geral da Robert Half na América do Sul, alerta que os projetos de DEI nas organizações não são práticas “para inglês ver”. Na verdade, a pesquisa da Robert Half revela que as empresas estão apostando cada vez mais na criação de programas e políticas que garantam que os trabalhadores sejam tratados com respeito e empatia. “É fato também que ainda há muito o que percorrer nesse sentido”, pontua o Diretor.

Ele defende que a diversidade e inclusão nas empresas é o caminho para o crescimento. “Esta deveria ser uma prioridade para orgaizações que querem ser competitivas hoje e no futuro”, revela.

Além disso, segundo o estudo, o conceito de DEI tem se tornado uma parte fundamental da cultura organizacional, que passa a defender processos mais transparentes em suas práticas de atração e retenção de talentos.

As companhias também começaram a mensurar mais precisamente os resultados de seus programas sobre o tema e procuram envolver outros colaboradores, comunicando os resultados internamente e para a sociedade.

Principais benefícios

Para a Robert Half, promover a diversidade e inclusão nas empresas não pode ser visto como uma forma de atender a um movimento, mas sim, de respeitar o progresso social. Projetos nesse sentido, inclusive, geram vantagens e trazem resultados significativos para o negócio, dentre eles:

  • Melhora a produtividade (41%).
  • Impacta positivamente na cultura da empresa (38%).
  • Atrai e retém talentos (37%).
  • Torna o ambiente mais criativo e inovador (34%).
  • Atrai investidores (30%).

Diversidade e inclusão: qual é a diferença?

De acordo com o levantamento, ambas as palavras devem ser levadas a sério. A diversidade acontece quando uma instituição busca contratar indivíduos de diferentes singularidades, criando times mais heterogêneos. No entanto, a inclusão não é automática. “Ela ocorre quando pessoas de diferentes nacionalidades, raças, gêneros, orientações sexuais ganham espaço em toda a empresa”, explica Fernando. 

Assim, segundo o Guia da Robert Half, há inclusão quando as pessoas:

  • Sentem-se seguras e apoiadas para serem elas mesmas no trabalho.
  • São tratadas de forma justa e têm acesso a iguais oportunidades para avançar na empresa.
  • São uma parte reconhecida e valorizada da equipe, independentemente de sua origem ou função.
  • Têm uma voz e sabem que são ouvidas.

Fernando lembra uma analogia muito usada que, para ele, não está inteiramente correta. “A gente gosta de dizer que diversidade é convidar para a festa e que inclusão é chamar para dançar. Não é verdade. Inclusão é mais que isso. É a pessoa sentir-se à vontade para, se e quando quiser, poder ir para a pista de dança”, relata.

Mudanças para o RH

Na hora de escolher um novo colaborador para fazer parte do quadro da organização, a perspectiva para pessoas plurais já se transformou. O estudo mostra que 90% das empresas no Brasil dizem ter feito alguma mudança em seu processo de recrutamento e seleção para garantir mais multiplicidade de pessoas nas contratações.

Na prática, as principais iniciativas consistem na adaptação dos anúncios de vagas para atrair talentos diversos, o uso de currículos cegos e o treinamento de viés inconsciente para a equipe de recrutamento e liderança.

Fernando Mantovani, defende que a diversidade e inclusão nas empresas é o caminho para o crescimento e que o RH precisa estar atento ao tema. “Esta deveria ser uma prioridade para organizações que querem ser competitivas hoje e no futuro”, revela.

Diversidade e inclusão na prática

Com o objetivo de entender mais profundamente as iniciativas de diversidade e inclusão nas organizações, o levantamento mapeou o que elas se propõem a fazer para melhorar seus programas no ambiente de trabalho. Confira o que as empresas têm feito:

  • Mais atividades educativas e treinamento (45%).
  • Capacitação para apoiar a carreira dos grupos sub-representados (41%).
  • Uso de tecnologias que evitam vieses discriminatórios na contratação (39%).
  • Investimento em programas e corporações que apoiam o tema DEI (33%).
  • Eventos e palestras (28%).
  • Instituições de grupos de discussão/comitês (18%).
  • Parcerias com empresas que apoiam o tema (15%).

Fernando reforça que ainda há muito a ser feito, mas essas são algumas atividades que se destacaram no estudo e podem servir de inspiração para outras organizações.

A diversidade e inclusão nas empresas tem se tornado pré-requisito para o crescimento dos negócios. Quer fazer como as companhias que já se atentaram ao tema e promover um processo seletivo sem vieses discriminatórios? Utilize games no recrutamento. Além de proporcionar uma boa experiência para os candidatos, é possível mapear conhecimentos, identificar perfis e comparar habilidades de forma imparcial. Clique aqui para conhecer as soluções gamificadas da LG lugar de gente.

Compartilhe:
Comentários