fbpx

Um RH que joga para vencer: como a gamificação corporativa pode transformar a capacitação na sua empresa

Data 16/11/2021
Profissional jogando game corporativo

Você já percebeu que aprende muito mais e fixa melhor os temas quando está realmente engajado no assunto? Observou que, quando uma palestra é divertida, tem maior facilidade em prestar atenção? Notou que segue nas redes sociais justamente aquelas pessoas que têm formas inovadoras de falar sobre sua profissão? Essa mesma lógica é aplicada na gamificação corporativa, um caminho mais envolvente de aprendizagem nas empresas.

Aliás, esse recurso ganha ainda mais valor em um contexto em que jogar já é considerado um hábito brasileiro. A Pesquisa Game Brasil 2021, produzida por meio da parceria entre Sioux Group, Go Gamers, ESPM e Blend New Research, traz detalhes sobre essa informação.

Com mais de 12 mil participantes, o estudo revelou que 72% da população tem o costume de fazer uso de jogos eletrônicos, independentemente da plataforma, reforçando esse hábito em seu cotidiano. A prática é preferência de ambos os sexos, com as mulheres representando uma sutil maioria, com 51,5%, seguida dos homens com 48,5%.

Frente ao número significativo de adeptos, novas possibilidades são encontradas para os games, que passam a ser aplicados no marketing, na educação, na saúde e nas organizações.

Eliane Dilinski, Gerente de Operações da área de Games na LG lugar de Gente, acredita que a gamificação corporativa tem o poder de conectar os colaboradores de uma forma muito mais estimulante. “Isso contribui para elevar o nível de conhecimento e competências necessárias para a realização do trabalho e para mudanças de comportamento. Tudo começa pela inovação que gera muita curiosidade dos colaboradores, o engajamento é consequência imediata”, revela.

Gamificação X Jogos corporativos no RH

É verdade que os termos geram confusão e, de fato, se parecem. Mas não se engane: cada um representa aspectos diferentes. “Gamificação é uma ferramenta que fornece mecanismos e técnicas de design de jogos para ajudar as empresas e as pessoas a atingirem seus objetivos de uma forma lúdica, inovadora, colaborativa e muito atraente. Seja para fins de aprendizagem ou para fidelização de clientes e reforço da marca”, explica Eliane.

Para fins de aprendizagem, por exemplo, a gestora esclarece que existem algumas plataformas de ensino à distância (Learning Management System – LMS) que possuem o recurso de gamificação corporativa para gerar maior estímulo para os colaboradores realizarem suas trilhas de aprendizagem. “É uma espécie de competição, em que quanto mais cursos on-line ou participações em cursos presenciais os profissionais realizarem, mais ganharão pontos que podem ser trocados por brindes ou qualquer outro tipo de benefício não financeiro”, descreve.

A pontuação também pode ser integrada com outros processos de RH. “Tal como fixando algum atributo adicional que será avaliado em programas de mobilidade interna, concessão de bolsa de estudos, programas de intercâmbio, ou até mesmo como um dos critérios para reconhecimentos financeiros”, argumenta.

Já os jogos corporativos são um formato de solução educativa utilizada para fins de desenvolvimento de pessoas. “Eles também podem ser utilizados em processos de assessment com o objetivo de levantar gaps ou ainda como uma das etapas de processos seletivos. No caso do game ser utilizado para desenvolvimento/capacitação de pessoas, o colaborador pode interagir sozinho com o conteúdo do jogo ou em grupo, a depender da definição estratégica de cada empresa”, afirma Eliane.

Mensurar para revelar

De acordo com a especialista, empresas que investem em gamificação corporativa conseguem medir os resultados através de feedbacks recebidos em fóruns on-line. “Outra forma de mensuração ocorre através da avaliação dos relatórios gerados com os resultados individuais dos colaboradores que participaram do game”, explica.

Verificar as repercussões é importante já que, a partir delas, a empresa poderá criar planos de ações. “Por exemplo, ela poderá reunir todos os colaboradores que apresentaram determinado gap para novas capacitações”, sugere.

O ponto de atenção é a empresa manter monitoramento constante, bem como incrementar seus programas on-line com “novos temas, novos games, refinando cada vez mais os resultados esperados”, recomenda Eliane.

Resultados práticos

Os frutos colhidos pela gamificação corporativa ainda vão muito além. “Quando a empresa define estratégias de programas de desenvolvimento e capacitação de pessoas ou de utilização de games para assessment utilizando a tecnologia – cada vez mais esse movimento está sendo realizado no mundo com a transformação digital –, a redução dos custos é um dos benefícios percebidos muito rapidamente”, alega Eliane.

Gastos altos que ocorriam com as capacitações presenciais como custos com logística, facilitador, coffee breaks, almoços, materiais de apoio, deslocamento de colaboradores etc., poderão ser convertidos em outras estratégias. “O investimento feito na migração desses antigos programas de capacitação presencial para programas bem estruturados de aprendizagem on-line, logo darão retorno e a possibilidade de serem criadas novas estratégias”, comenta.

A profissional também lembra que o  aumento da produtividade é um benefício que se destaca. “Isso ocorre através da organização das trilhas de aprendizagem com avaliações realizadas ao final de cada módulo, além da facilidade de os colaboradores realizarem o treinamento no melhor horário de suas agendas e de qualquer lugar”, reforça.

Dentro de cada contexto

Quanto mais customizada for a gamificação corporativa, melhor o resultado para a empresa e para os colaboradores, já que atenderá as demandas e expectativas de ambos. “Um exemplo que podemos citar de projetos que a LG lugar de gente já desenvolveu para alguns clientes é de construir os temas da trilha de forma customizada”, pontua.

Eliane também dá algumas dicas de como personalizar a estratégia criada. “Com diversificação de formatos é possível torná-la ainda mais atrativa, com disponibilização de vídeo teaser, cursos on-line gamificados, vídeo cartoons, one page, podcast, quizzes e games certificação. Ao final, apresentarão os resultados de todo o conhecimento adquirido pelos colaboradores ao longo da trilha de aprendizagem, podendo, inclusive, a partir destes resultados, traçar planos de trilhas adaptativas para sanar os gaps apresentados”, compartilha.

De olho no pós-pandemia

Com a transformação digital acelerada durante a pandemia da covid-19, cada vez mais as companhias procuram por soluções on-line. “Já existem diversos estudos comprovando a tendência de aumento significativo de empresas que, além da implementação do home office, começaram a investir fortemente nas capacitações acessíveis. Consequentemente, elas passaram a utilizar a gamificação corporativa como ferramenta importante para geração de engajamento e estímulos para facilitar a jornada de aprendizagem dos colaboradores e, como resultado, o aumento da produtividade”, revela Eliane.

Por onde começar?

Para Eliane, o primeiro passo para uma organização implementar estratégias de gamificação corporativa em seus programas de desenvolvimento de pessoas ou em seus processos de recrutamento e seleção é procurar parceiros sérios no mercado. “Eles devem ter experiência comprovada no desenvolvimento das melhores e mais diversificadas soluções digitais que apoiarão no atingimento dos objetivos definidos no início do projeto”, alerta.

Para quem procura aumentar a importância estratégica do RH à medida que os colaboradores exploram uma experiência lúdica e ampliam suas capacidades, Eliane apresenta uma solução. “A LG possui tanto a ferramenta de gamificação (LMS) quanto uma área que desenvolve soluções totalmente personalizadas de games e demais formatos de aprendizagem”, finaliza a gestora.

Você deseja engajar e desenvolver os profissionais da sua empresa desde a etapa de contratação até o desenvolvimento contínuo e melhora da performance? Com a gamificação corporativa da LG lugar de gente, seu RH será capaz de mapear conhecimentos, identificar perfis, comparar habilidades, gerar trilhas adaptativas e capacitar pessoas. Clique aqui e saiba mais.

Compartilhe:
Comentários