Inclusão nas empresas: como a diversidade impacta os resultados do negócio?

Data 28/01/2020
inclusão nas empresas

Possuir equipes mais diversas está entre as estratégias da sua companhia esse ano? Caso não esteja, um estudo realizado pelo Great Place To Work para identificar as melhores para se trabalhar na América Latina, em 2019, pode fazer sua organização mudar de ideia. Segundo o levantamento, investir em inclusão nas empresas pode proporcionar maior crescimento de receita.

inclusão nas empresas

A pesquisa foi feita com base na análise de 1.400 companhias da América Latina, que representam mais de 2 milhões de funcionários. O resultado mostra que, empresas inclusivas, que apostam na diversidade e convidam mais colaboradores para participarem dos processos de inovação, atingem 5,5 vezes o crescimento da receita em comparação com as menos inclusivas.

Não por acaso o tema tem ganhado destaque no cenário nacional. O estudo “As Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil 2019“, aponta que, na maioria das 2.645 companhias inscritas, existe um colaborador responsável por combater a discriminação e promover a diversidade. Dentre as 150 organizações que compõem o ranking das ganhadoras, 83% delas possui um profissional dedicado ao assunto.

Como falar de inclusão nas empresas?

Além de contribuir com o processo de inovação e proporcionar o aumento da receita, apostar em diversidade também pode melhorar a marca empregadora. Eva Charlene Pereira, Graduada em Recursos Humanos e mãe da Giovanna Pereira, bailarina profissional, observa que as companhias estão evoluindo quando o assunto é inclusão nas empresas.

“Percebo que as organizações ampliaram seu olhar e viram que ficar ‘engessada’ ou impor certo tipo de padrão, rejeitando as demais pluralidades de nossa sociedade, não é algo comum como antigamente. Aderindo à inclusão, a empresa se torna mais acolhedora e estimulante para todos. Isso incentiva os colaboradores e contribui para a sua motivação, o que leva a um trabalho mais engajado e, consequentemente, a melhores resultados”, destaca.

A importância do tema pode ser trabalhada de diversas formas. Um exemplo, é o vídeo da LG lugar de gente, que apresenta a história de duas bailarinas, uma negra e uma cadeirante. Eva conta que, quando assistiu ao vídeo se emocionou. “Eu recebi de uma amiga que, assim que viu, lembrou de nós, já que minha filha incentiva, acompanha e apoia sua amiga, Michele Sassi, que é deficiente e se supera no ballet. Foi uma sensação maravilhosa, pois vai ao encontro de tudo que queremos nesse mundo: inclusão”.

Clique aqui para assistir o vídeo da LG lugar de gente.

Eva compartilha um pouco da história de sua filha Giovanna e sua amiga Michele, que se parece com a do vídeo. “Giovanna é uma menina de 13 anos que chama atenção pela dedicação em tudo que faz. Muito realista, que respeita suas limitações e acredita que tudo é possível”.

Aos três anos, Giovanna teve um problema respiratório e o médico recomendou que ela fizesse alguma atividade física. “Pensamos em natação. Contudo, quando a levamos para fazer a primeira aula, ela espontaneamente pediu: ‘quero fazer ballet’”, conta Eva.

Já são 10 anos de amor e dedicação à dança. “Giovanna começou com aulas aos sábados na primeira escola e, conforme os anos foram passando, vimos a necessidade de investir em seu talento. Em 2016, procuramos a Escola Ballerina de Porto Alegre, onde ela conheceu Michele. No ballet, elas superaram seus desafios”.

Confira uma das apresentações de Giovanna, Michele e Isabele Bestani.

Inspire-se para ter uma empresa inclusiva. Clique aqui para assistir o vídeo de fim de ano da LG lugar de gente.