Liderança em pauta: 3 lições de superação de Oscar Schimdt

Data 29/01/2018
liderança

Oscar Schmidt, ex-jogador de basquete e palestrante motivacional

Um dos atletas mais queridos do país e maior pontuador de basquete de todos os tempos, com 49.737 pontos ao longo de sua carreira, aprendeu muito com o esporte sobre liderança, dedicação e superação. Do alto dos seus 2,05 metros, Oscar Schimdt, o “Mão Santa”, viveu momentos difíceis, como a descoberta de um tumor no cérebro em 2013, e tantos outros de extrema alegria, compartilhados com todo o país.

Em entrevista à LG lugar de gente, ele lista algumas lições aprendidas durante sua carreira. Como sempre esteve à frente dos times pelos quais passou, deixa algumas dicas que nortearam sua liderança e o ajudaram a conquistar os resultados almejados. Confira!

1 – Seja perseverante

Oscar comenta que quando começou a jogar basquete, aos 13 anos, era péssimo. Conheceu o esporte por conta da altura, mas pegou gosto mesmo graças ao incentivo do técnico, que levava o time para tomar refrigerante após os treinos, algo proibido em sua casa.

“De tanto treinar, fiquei bom e fui chamado para jogar na seleção brasileira juvenil aos 16 anos. Isso me mostrou que para conquistar uma carreira de sucesso é preciso ter muita obstinação e perseverança. No basquete, é necessário treinar de oito a nove horas por dia, sem folgas, durante anos. Além dos dois treinos oficiais, eu ainda treinava mais mil arremessos todos os dias. Então, não é uma escolha fácil. Por isso, gosto de dizer que somos produto de nossas decisões”, destaca ele.

2 – Valorize os desafios

Apesar de ter enfrentado todo o doloroso processo de descoberta e tratamento do câncer, Oscar afirma que sua vida melhorou depois do tumor. “Hoje, uso o dinheiro que eu ganho para viajar mais, presentear melhor e curtir a vida. Aquilo que eu fazia antes, faço cinco vezes melhor. Meu estado de saúde será o mesmo até eu morrer. Ou seja, sempre fazendo exames, sempre tomando remédios. Não há como evitar isso. Mas não será um tumorzinho que vai me derrubar. Nossa vida é um desafio o tempo todo. Você vive sempre no fio da navalha, bem na fronteira entre ganhar e perder. Se você consegue superar isso, pode superar qualquer coisa na sua vida”, reforça.

3 – Dê o exemplo

Para Oscar, líder deve ser sempre o exemplo e tem que treinar mais que todo mundo. “Minha liderança sempre foi firmada nos pilares: Influência, Respeito, Exemplo, Comunicação, Valores e Resultados. Aprendi cedo e, por isso, foi algo natural. Assim, acabei virando líder em todos os times em que joguei”, menciona.

Ele completa que o líder precisa também querer ganhar sempre. “Isso contagia! Os meus companheiros me viam brigando pela vitória e tenho certeza de que eles também faziam o mesmo. Se você não tiver resultados, ninguém vai segui-lo. É o produto final dos seus esforços que tem valor. O impossível só vira realidade se você estiver bem preparado quando a chance aparecer. Por fim, liderança requer ainda saber falar as coisas na cara e saber acariciar. Não é só bronca e também não é só carícia. É uma mistura dos dois”, pontua Oscar Schmidt.

Gostou das dicas? Quer mais exemplos de liderança para se inspirar? Não deixe de ler o ebook “O que pensam os grandes líderes de RH do Brasil”!

Clique aqui para fazer o download.