fbpx

Mulheres na liderança: desafios durante a crise e dicas para conquistar o sucesso

Data 09/03/2021
mulheres na liderança

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, durante o mês de março, publicaremos uma sequência de entrevistas com mulheres na liderança de grandes organizações que resistem em meio à crise global decorrente da pandemia de covid-19.

Nesta semana, o especial conta com a participação de Lílian Pacheco, Diretora Financeira da Digital Industries da Siemens no Brasil, e Ana Paula Kagueyama, Head Global de Soluções para Clientes do PayPal.

Quais caminhos para conquistar o sucesso?

Lílian, formada em administração de empresas e com mestrado na mesma área, iniciou sua carreira na Siemens como estagiária do departamento financeiro. Recebendo, depois, o convite para gerir financeiramente a fábrica de Jundiaí.

Lílian Pacheco, Diretora Financeira da Digital Industries da Siemens no Brasil

Ela também foi para Nuremberg, na Alemanha, trabalhar no Headquarters da Digital Industries, sendo responsável por ajudar nos processos de digitalização de sua área.

“Depois de quase dois anos na Alemanha, voltamos e assumi uma posição de controladoria para a América Latina, com um time espalhado em diversos países, em uma empresa do grupo do segmento médico, a Siemens Healthineers, antes de assumir a posição que ocupo hoje, de diretora financeira da Digital Industries do Brasil”, conta.

Ana Paula é contadora de formação e pós-graduada em Marketing de Serviços. A profissional já passou pelo BankBoston, Itaú, Santander e Paypal, onde está desde que a empresa chegou ao país, em 2010. Ela foi contratada para montar a estrutura de atendimento da companhia no Brasil e, alguns anos depois, assumiu o atendimento na América Latina.

Ana Paula Kagueyama, Head Global de Soluções para Clientes do PayPal

“Atualmente, lidero todo o time da região e as operações globais da Xoom, empresa especializada no envio internacional de dinheiro on-line, adquirida pela PayPal em 2015. Com funcionários no Brasil, na Colômbia, em El Salvador, Egito, Estados Unidos e Filipinas, estou à frente de um grupo de aproximadamente 1.000 colaboradores, que falam oito idiomas”, compartilha.

Desafios durante a carreira

Lílian relata que passou por vários desafios, como gestores que não a inspirava, dificuldades de conciliar a vida profissional e pessoal, crises que exigiram decisões difíceis, inovações que teve que defender com unhas e dentes.

A profissional também compartilha que quando começou na organização era muito tímida e foi um aspecto que trabalhou ao longo dos anos. “A partir de um determinado momento, contei com a ajuda de um coach profissional. E ele me ajudou não apenas a superar esse problema, como também a lidar com um parceiro de negócios difícil, que não sabia trabalhar em equipe”, informa.

Para ela, esse período de crise exige habilidade e aprendizados novos, dando tranquilidade para enfrentar problemas adversos presentes e os que continuarão vindo.

Em complemento, Ana Paula entende que a autopromoção faz parte e é preciso que as mulheres se valorizem para poder almejar cargos mais altos, postos de direção e o topo de qualquer pirâmide.

No entanto, ela explica que é preciso entender que as mulheres passaram muito tempo relegadas a papéis secundários na sociedade. E esse cenário, embora esteja mudando, ainda faz parte da vida da maioria.

“No PayPal, acreditamos que o maior desafio está dentro de cada uma de nós e que não existem limites para o que uma mulher pode fazer. A empresa investe muito em ações para fomentar o crescimento de suas colaboradoras, seja em nível local ou global”, afirma Ana Paula.

Mulheres na liderança em meio à crise

Um estudo publicado na Harvard Business Review pela Zenger Folkman, consultoria de desenvolvimento de líderes, avaliou 454 homens e 366 mulheres, entre março e junho de 2020.

A pesquisa revelou que as líderes mulheres foram classificadas de forma mais positiva se comparado aos homens. Além disso, também foram consideradas mais efetivas na liderança e conquistaram uma diferença de pontuação média maior do que antes da pandemia. Para a consultoria, esse resultado sugere que as líderes femininas performaram melhor durante a crise decorrente da pandemia.

Segundo Lílian, a pandemia alterou a forma como se lidera e o ambiente virtual tem suas vantagens, como a redução do tempo de deslocamento e flexibilidade. Porém, ela também reforça que tem seus desafios, como a falta dos “cafezinhos” para resolução de problemas e a confiança, antes muito embasada na interação presencial.

“Manter os times motivados enquanto trabalham remotamente exige criatividade e disciplina dos gestores, que devem desenvolver estratégias para manter um trabalho interessante para cada um, senão a desmotivação vem”, aponta.

A profissional também acredita que outra questão afetada durante o período de isolamento foi a habilidade de conhecer pessoas novas. Ela considera imprescindível garantir que os colaboradores tenham a possibilidade de networking com pessoal de outras organizações, mesmo que no ambiente virtual.

“De forma geral, devemos ser gestores mais atentos ao contexto de cada colaborador, como questão motivacional, contexto e necessidades da vida. Além do desenvolvimento profissional, de forma muito individualizada, e tudo isso, claro, por meio das nossas videochamadas”, explica.

De acordo com Ana Paula, a pandemia trouxe a necessidade de autocontrole, autoconhecimento, desenvolvimento interpessoal e de construção de relacionamentos mais dinâmicos. Além disso, a dedicação e o esforço dos líderes também tiveram de ser repensados e transformados no decorrer dos últimos meses.

“A necessidade de reconhecer na voz das pessoas se há algo fora do lugar e fazer check-ins virtuais com todos, diariamente, foi algo bastante inovador. No PayPal, acreditamos que os líderes precisam estabelecer as relações pessoais como uma prioridade – caso contrário, em tempos de covid, poderíamos passar dias sem ver nossos colaboradores”, diz a especialista.

A Diretora Financeira da Digital Industries da Siemens acredita que a diversidade nas organizações é extremamente importante, pois aumenta a criatividade, a capacidade de inovação e ajuda na solução de problemas ao contar com pessoas com diferentes perspectivas.

“Eu fico muito feliz em cada vez ter mais mulheres ocupando posições de liderança. Na minha função nessa divisão da empresa, por exemplo, é a primeira vez que a cadeira é ocupada por uma mulher”, admite.

Diante disso, Lílian considera que o papel da corporação é fundamental para incentivar que isso aconteça cada vez mais, promovendo mulheres na liderança e entendendo os gaps que levam a qualquer desequilíbrio.

“O que vejo como tendência nas organizações é a valorização crescente de um conjunto de habilidades que visa mais o lado humano, a amabilidade, o respeito às diferenças. E as pessoas que souberem navegar nessa nova forma de liderar terão cada vez mais oportunidades”, garante.

4 dicas para liderar

Confira alguns conselhos de Lílian Pacheco e Ana Paula Kagueyama para chegar também a um cargo de destaque nas grandes corporações.

1 – Ousar

Segundo Lílian, o caminho exige disciplina, foco, flexibilidade, atenção às oportunidades e movimento, pois a zona de conforto pode ser traiçoeira.

“É preciso ser honesta consigo mesma e ousar externar para a organização sua ambição, afinal, é importante que eles saibam que você quer sim se candidatar a posições maiores. O que percebo ainda como um desafio para as mulheres é o medo de não conseguir conciliar a vida pessoal e o trabalho”, assegura.

2 – Networking

Ainda de acordo com a profissional, outro ponto importantíssimo é trabalhar o networking. “Para quem não sabe como começar, uma forma é participando de projetos que envolvem várias áreas, por exemplo. Eu também recomendo contar com um bom mentor, para discutir próximos passos e situações complexas”, informa.

3 – Feedback

Prepare-se, peça e dê feedback, tenha conversas transparentes e difíceis, mas jamais guarde seus sentimentos, defende Ana Paula.

“Tenha em mente, também, que os desafios dizem muito sobre você. É fato que, cedo ou tarde, irá enfrentar desafios na carreira, e seu sucesso é determinado pela forma como irá lidar com essas dificuldades, de preferência com serenidade e objetividade”, expõe.

4 – Desafios

Para a Head Global de Soluções para Clientes da PayPal, o segredo é lembrar que qualquer desafio pode se transformar em uma oportunidade. Segundo ela, a dificuldade é uma grande chance de mostrar do que é capaz.

“Ser líder é isso, conseguir que as pessoas sob sua gestão olhem, ao mesmo tempo, para a mesma direção. Uma vez na liderança, uma última dica: tenha a sensibilidade de entender o próximo e o espírito colaborativo”, finaliza Ana Paula.

Está gostando das publicações do Especial Mês da Mulher da LG lugar de gente? Compartilhe com mais mulheres que desejam alcançar a autoridade em grandes organizações. Clique aqui para assinar nossa newsletter e ficar por dentro de todos os conteúdos.

Compartilhe:
Comentários