Quer ser um gestor de RH mais estratégico? Nós contamos como conseguir!

Data 19/06/2017

RH estratégico

Em um cenário corporativo com alto grau de competitividade, os gestores dos diferentes setores de uma organização convivem com cobranças por resultados e melhorias de processos. Os profissionais de RH veem a demanda por uma atuação estratégica crescer ano após ano, mas encontram dificuldades em entender os objetivos de negócios e como contribuir para a conquista de resultados importantes, como aumento de receitas, novas vendas e relacionamento com o cliente.

Segundo um levantamento da consultoria Luzio Strategy Group, realizado com mais de 300 executivos de 10 empresas no Brasil, em média, 55% do tempo dos gestores é consumido em atividades consideradas burocráticas. Esse é um fator que impede que muitos setores, especialmente o de recursos humanos, se posicionem de maneira planejada para os objetivos organizacionais.

Neste artigo, mostraremos como um RH estratégico supera a burocracia e, enfim, exerce um papel de importância para o alcance das metas empresariais. Mais do que o discurso sobre a sua relevância, é fundamental que os profissionais de recursos humanos levem o setor a uma posição de destaque no board organizacional.

Por que o setor de RH da empresa ainda atua de forma tão operacional?

Imagine como uma empresa poderia ser mais produtiva se o RH não gastasse tanto tempo com atividades burocráticas — folha de pagamento, gestão de ponto, férias e benefícios corporativos, além de admissões e desligamentos — e pudesse se dedicar a ações que impulsionem o crescimento dos colaboradores e, consequentemente, da organização, como o desenvolvimento de lideranças e o engajamento de pessoas.

Quando se concentram em funções operacionais, como as citadas acima, os profissionais de RH não apenas se distanciam de ações que possam fortalecer a organização — como o alinhamento estratégico e o fortalecimento da cultura organizacional —, como se aproximam daquelas que levam à perda de recursos.

Afinal, cada minuto gasto com tarefas burocráticas tira a possibilidade de que esse funcionário se empenhe na construção de uma companhia com planejamento voltado para o crescimento e ganho de mercado.

Na avaliação de Karina Pimentel, diretora de Recursos Humanos na Intensicare, empresa especializada em gerenciamento de Unidades de Terapia Intensiva, a atuação operacional do setor ainda está atrelada ao comportamento e à formação desses profissionais.

“A própria área não se preocupa em conhecer o negócio. Essa atuação operacional está muito vinculada à formação técnica. Temos escutado que o RH tem de conhecer o negócio e influenciar pessoas. Há organizações em que o RH se tornou uma área de apoio à estratégia organizacional, mas também em consequência da cultura dos empresários”, observa Karina.

Como tornar o RH estratégico?

Enquanto tentam otimizar as atividades operacionais, gestores de RH buscam solucionar uma dúvida: como fazer para que o setor se posicione de maneira estratégica? A resposta para essa questão envolve 4 fatores:

  1. Desenvolvimento de lideranças;
  2. Engajamento de pessoas;
  3. Alinhamento à cultura organizacional;
  4. Alinhamento estratégico.

O RH deve assimilar os valores organizacionais e, assim, criar um elo entre a estratégia da empresa e as pessoas. Ao alinhar as ações de recursos humanos com o planejamento da organização, o setor estará apto a oferecer subsídios para que a empresa alcance os resultados esperados.

“De fato, é necessário conhecer a estratégia do negócio. Qual é o método de crescimento, a estratégia de perenidade? Gestores de RH precisam conhecer o negócio em si, o que de fato é trabalhado, se há coerência entre valor, missão, visão e cultura da empresa”, analisa Karina Pimentel.

A atuação de um RH estratégico somente é possível se estiver em sintonia com a cultura organizacional.

“Muitas vezes, percebemos pessoas com influência, mas negativa. Esse tipo de atitude, caso comece a se sedimentar, devorará a estratégia da empresa. O RH tem de estar atento à cultura, o que as pessoas sentem, se elas convergem valores pessoais para os valores da empresa. É muito importante para o RH conhecer a cultura da organização: qual tipo de profissional ela busca? Como ela forma seus líderes? Após conhecer, é preciso fomentar isso dentro da instituição”, salienta.

Nesse sentido, o RH deverá fazer com que os líderes alimentem os valores da empresa e passem e inspirar suas equipes. Uma vez que a organização transmite uma imagem positiva e conte com colaboradores motivados, sua capacidade de atrair novos talentos e reter os profissionais mais capacitados será potencializada.

“Há muita mão de obra disponível, mas a empresa precisa ser atrativa. O que ela, de fato, oferece para a carreira de alguém? Hoje há essa reciprocidade. Quero deixar um legado, mas aprender algo em troca. Isso é pensar estratégico: o que vou oferecer para os colaboradores e qual será o propósito. Inspirar as pessoas é algo estratégico”, afirma Karina Pimentel.

Como otimizar tarefas e garantir um posicionamento estratégico do RH?

Conhecer mais sobre o negócio é, de fato, fundamental para que o RH se posicione de forma estratégica dentro de uma organização. Um importante aliado nessa missão é o uso de um software de recursos humanos. Com esse auxílio, os processos são otimizados e os gerentes podem, enfim, dedicarem-se a atividades mais importantes para o fluxo organizacional.

“Um bom software contribui para deixar processos da área mais ágeis e para ter segurança de informações, o que é muito importante para a tomada de decisão, com dados mais rápidos e fidedignos. Não é possível visualizar a área de RH sem sistemas”, ressalta Karina Pimentel.

A diretora de Recursos Humanos destaca ainda que a adoção de software tem papel fundamental na disseminação da cultura organizacional e na formação de líderes e colaboradores alinhados a esses valores. “É possível recorrer a ferramentas de GTD (getting things done, ou, em tradução literal, fazendo as coisas) e gamificação para formar líderes e colaboradores engajados. Todos os sistemas convergem para a estratégia e liberam tempo para as pessoas trabalharem com novos projetos”, acrescenta.

As ferramentas utilizadas diariamente pelo RH proporcionam ainda indicadores mais fidedignos ao profissional da área, a fim de que ele observe criteriosamente o setor e trabalhe estrategicamente, oferecendo alternativas para a tomada de decisões.

Agora que você já sabe como fazer a gestão de pessoas de forma estratégica, clique aqui e confira quais são as 6 ferramentas que todo RH moderno precisa ter!

Comentários